Honduras era sacudida nesta sexta-feira por protestos, ataques e saques, enquanto partidários do presidente Juan Orlando Hernández e do opositor Salvador Nasralla proclamam vitória, na ausência de resultados oficiais definitivos.

Milhares de seguidores de Nasralla bloquearam estradas em diversos pontos do país, enfrentando a polícia de choque.

Na capital, os manifestantes fecharam as principais avenidas e as saídas da cidade com barricadas, enquanto a população corria para supermercados e postos de gasolina para se abastecer diante da crise.

Nas redes sociais, viralizaram os vídeos de manifestantes enfrentando a polícia em diversos pontos do país.

Ao menos dois policiais e dez manifestantes ficaram feridos nos confrontos, alguns baleados, informaram as autoridades.

A polícia revelou que entre quinta e sexta-feira foram detidas 50 pessoas que participavam de saques a lojas na capital e em San Pedro Sula.

"Provocaram atos de vandalismo, roubaram, atentaram contra a segurança dos clientes e dos colaboradores de diversos negócios", denunciou o presidente da Câmara de Comércio do norte do país, Rafael Medina.

Nasralla, da Aliança de Oposição Contra a Ditadura, convocou manifestações para defender o que considera sua vitória e denunciar uma "fraude".

Com 94,31% das urnas apuradas, Hernández, que busca uma polêmica reeleição com o Partido Nacional, lidera contra 42,92% dos votos, contra 41,42% para Nasralla, candidato da esquerda.

O presidente do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE), David Matamoros, revelou na noite de quinta-feira que o organismo iniciaria uma "apuração especial" de 1.031 atas com inconsistências, na presença dos delegados dos partidos, para garantir a transparência.

Nasralla rejeitou, nesta sexta-feira, a proposta de Matamoros para a revisão de apenas 1.031 atas com inconsistências. "Queremos começar do zero e rever as 18 mil atas para aceitar" um resultado definitivo.

"O que está realmente acontecendo aqui é que David Matamoros está salvando seu couro pelo crime político (de fraude) e o couro do presidente" Hernández.

Posteriormente, o presidente do TSE informou que se reunirá com o ex-presidente e representante da oposição Manuel Zelaya, na manhã deste sábado, para analisar a revisão das atas.

Zelaya informou à imprensa que exigiu de Matamoros a comparação de 5.174 atas com os registros que têm a Aliança de Oposição, para verificar a lisura da apuração.

A missão de observadores da Organização dos Estados Americanos (OEA) pediu, em uma nota enviada ao presidente do TSE, a revisão "de todas as atas" e a uma garantia de "absoluta transparência" da apuração.

Hernández, de 49 anos, busca um segundo mandato amparado por uma decisão da justiça, apesar da Constituição proibir a reeleição em Honduras.

Nasralla, de 64 anos e sem experiência política, representa a Aliança Opositora, bloco de esquerda liderado pelo ex-presidente Manuel Zelaya.

* AFP

 Veja também
 
 Comente essa história