Uma ossada humana foi encontrada carbonizada no final da tarde desta quarta-feira (06), em Florianópolis. A informação foi confirmada pelo Instituto Médico Legal. Os restos mortais estavam dentro de um latão numa área de mata fechada. A polícia já tem uma suspeita para a identidade da vítima, mas só uma análise de DNA poderá trazer a confirmação. Para isso, será preciso encontrar um familiar que possa fazer o exame e, assim, verificar a compatibilidade.  

A ossada foi encontrada numa mata próxima à Servidão Lindomar da Silveira, no Morro do Mosquito, no bairro Ingleses, Norte da Ilha. Pela forma como a vítima foi morta, a polícia acredita que o crime pode ter relação com a guerra entre facções em Santa Catarina. 

De acordo com o delegado Ênio de Matos, da Delegacia de Homicídios da Capital, essa é a quinta vítima encontrada morta no mesmo matagal este ano. Conforme a polícia, a região é comandada por uma facção de São Paulo que tenta dominar os pontos de tráfico no Estado.

Quem encontrou os restos mortais foi a Polícia Militar durante uma operação no Morro do Mosquito. Os PMs estavam a procura de armas, drogas e também de possíveis corpos de vítimas. Além da ossada, foram encontrados um fuzil e uma quantidade de drogas. Conforme Matos, há informações de que existem outros corpos enterrados no local.

Até 22 de novembro, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) havia registrado 154 mortes violentas na Capital. Pelo levantamento do Diário Catarinense, outras cinco mortes ocorreram após essa data, considerando a ossada encontrada na quarta, o que contabiliza 159 mortes violentas. 

A SSP confirmou a contagem do DC. De 1º de janeiro até a manhã desta quinta-feira foram 136 homicídios, seis latrocínios, seis lesões corporais seguidas de morte e 11 mortes em confronto com a polícia (total de 159 mortes violentas).  

Casal é morto carbonizado

No mês passado, um casal foi torturado e carbonizado vivo em Palhoça, na Grande Florianópolis. Segundo a investigação da polícia, o casal foi vítima de uma emboscada por desavenças envolvendo o tráfico de drogas. 

Segundo a polícia, Thuane Gonçalves da Cruz, 20 anos, e Rudimar Muller, 18, foram agredidos com golpes de faca, socos e pauladas. Depois dos golpes, eles foram queimados ainda vivos e tiveram a cabeça decepada. A violência foi filmado e divulgada pela internet.

 O corpo de Rudimar foi encontrado na manhã do dia 21 de novembro, no bairro Pacheco, próximo à BR-101. A jovem foi levada para uma estrada de chão, numa região de mata, próximo à BR-282, em Águas Mornas, onde foi esfaqueada e queimada. 

Leia mais

"O poder público não está dando conta de atender essas pessoas", avalia diretora de direitos humanos

"Precisamos questionar até onde vai a crueldade do ser humano", diz promotor

Propagação de vídeos de assassinatos aumenta no Estado e alerta autoridades

"É a guerra pela venda de droga e arma", diz secretário de Segurança sobre homicídios

Número de assassinatos em Florianópolis cresce 94%


 Veja também
 
 Comente essa história