Venda de veículos zero quilômetro cresce no Vale do Itajaí
Foto: Augusto Ittner / Jornal de Santa Catarina

O otimismo dá o tom dos discursos dos empresários do setor de automóveis quando o assunto é a espera pelas vendas de Natal e a expectativa para 2018. O sentimento é reflexo dos dados das lojas ao longo deste ano. No Vale do Itajaí, a venda de automóveis novos acompanhou o desempenho de Santa Catarina e registrou o segundo maior crescimento de vendas do ano em novembro. Foi também o sétimo mês consecutivo de alta.

Segundo dados de emplacamentos divulgados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores de Santa Catarina (Fenabrave-SC), no último mês foram vendidos 4.107 veículos, entre carros, comerciais leves, caminhões, ônibus e motos. O número é 20,87% maior do que o desempenho do mesmo mês do ano passado. Em números absolutos é também o mês em que mais se vendeu carro no Vale este ano, rompendo pela primeira vez a barreira das 4 mil unidades. Percentualmente, apenas outubro, que registrou acréscimo de 30,39% no comparativo com 2016, teve crescimento maior de vendas comparado ao ano passado.

Em 11 meses, este foi o nono com crescimento de vendas nas concessionárias do Vale do Itajaí. No acumulado do ano a região já soma 38.650 veículos novos vendidos. É 10,88% mais do que o contabilizado na região no mesmo período do ano passado. Uma ideia do que isso representa? É praticamente 10 vezes mais do que os números do Brasil, que apesar de vir de quatro meses de alta, este ano cresceu apenas 1,38%. O Vale também supera os dados de SC, que em todo o ano até agora vendeu 8,69% mais de veículos do que em 2016.

– É um sinal de pujança da região. Outros segmentos estão puxando a esperada volta do crescimento econômico, o que acaba refletindo nas vendas de veículos. Com mais movimentação de dinheiro no mercado, mais pessoas optam por comprar carros – avalia o diretor-executivo da Fenabrave-SC, André Andreazza.

Outro fator destacado pelo dirigente é a alta participação das chamadas vendas diretas, feitas para empresas que adquirem veículos de frota, nos números positivos do mercado neste ano. O motivo é o fato de serem negociações com menos tributos e preços mais atrativos. A chamada venda de varejo, para o comprador comum, acaba representando cerca de 20% dos números.

A expectativa de Andreazza é de que a linha crescente no gráfico de vendas continue no próximo ano. As altas recentes surgem como um sinal de recuperação que ainda deve levar tempo. O setor, que chegou a vender 22 mil carros por mês no Estado nos melhores dias até 2013, caiu pela metade e nos últimos dois meses saltou para em média 14 mil. Voltar aos números já atingidos no passado é meta para até oito anos, segundo o diretor da Fenabrave-SC.

Números refletem consumo, mas retomada exige investimento

O economista e professor da Furb, Nazareno Schmoeller, indica que a melhora nas vendas de carros é fruto de facilidades nas condições de financiamentos, promoções e oferta de modelos mais baratos, o que facilita a compra. No entanto, ele alerta que a alta nas vendas indicam uma estabilidade e começam a dar uma expectativa de giro no mercado, mas não significam a retomada de toda a economia.

– Todos nós fomos praticamente forçados a fazer ajustes entre 2015 e 2016. Com esses ajustes feitos, há certa estabilização e algum indicativo de que economia melhoraria. Recuperamos um pouco do consumo, mas as bases de comparação, que são os anos anteriores, são muito baixas. Mas o grande indicador de desenvolvimento é o investimento (obras, aumento de maquinário na indústria). E os níveis de investimento nos anos anteriores foram muito baixos, ainda não indicam uma retomada.

Empresário de Blumenau e membro da diretoria da Fenabrave-SC, Osmar Laschewitz confirma que apesar dos números positivos, que cumprem a expectativa de crescimento de 8% a 9% para este ano, é preciso lembrar que as bases de estatísticas dos últimos anos são menores. Para o próximo ano, a previsão é alcançar o mesmo crescimento de 2017.

O desempenho foi resultado sobretudo de muita promoção, divulgação, as montadoras e concessionárias se esmeraram em oferecer taxa zero, diminuir as margens, os bancos ficaram menos exigentes na concessão do crédito. Assim, mais pessoas foram às lojas e ficou mais atrativo comprar um carro – avalia.

Mercados de seminovos também acumula alta

Entre os carros seminovos o ano é de recuperação ainda maior em Santa Catarina. Segundo dados da Associação dos Revendedores de Veículos Automotores do Estado (Assovesc), apenas fevereiro registrou queda de 0,75% em comparação com o mesmo mês de 2016. Nos outros 10 meses houve crescimento. O recorde foi alcançado também em outubro, com 26,6% a mais de vendas do que em outubro do ano passado. Em novembro as vendas chegaram a 68.013 unidades, 2,98% a mais frente a novembro do último ano.

A entidade não tem dados regionais, mas confirma que Blumenau acompanha o mesmo momento de vendas aquecidas. O motivo seria o aumento no valor dos carros de entrada 0km, que hoje se aproximam de R$ 40 mil, e também na confiança do consumidor.

– A melhora sempre está muito ligada ao sentimento de um futuro melhor, principalmente no varejo. Isso está crescendo. Prevendo ou acreditando mais no que está por vir, ele tende a gastar mais ou até assumir uma dívida. Este ano já foi positivo, mas com mais reduções de juros na ponta, para o consumidor, acreditamos em um 2018 ainda melhor – projeta o presidente da Assovesc, Rafael Silva.

Leia mais:

Anfir: emplacamentos de janeiro a novembro caem 5,26% ante igual período de 2016

Venda de veículos sobe 14,6% em novembro ante novembro de 2016, diz Anfavea

Alta das vendas em 2018 será maior, provavelmente de 2 dígitos, prevê Anfavea

 Veja também
 
 Comente essa história