O governo do Equador considera pedir uma "mediação" para chegar a um acordo definitivo com o Reino Unido diante da "insustentável" situação de Julian Assange, asilado desde 2012 na embaixada equatoriana em Londres.

É a primeira vez que Equador planeja uma mediação para resolver o caso, no qual também estão envolvendo Estados Unidos e Suécia.

"Estamos considerando também e explorando a possibilidade de uma mediação. Pode ser de um terceiro país ou de uma personalidade", anunciou nesta terça-feira a chanceler María Fernanda Espinosa.

"Nenhuma solução será conseguida sem a cooperação internacional e sem a cooperação do Reino Unido, que se mostrou interessado em buscar uma saída", acrescentou sem dar mais detalhes, durante um café da manhã com correspondentes estrangeiros.

O fundador do WikiLeaks está desde 2012 na embaixada equatoriana em Londres para evitar ser extraditado à Suécia por supostos crimes sexuais, que ele nega.

A procuradoria sueca arquivou a investigação, mas Assange teme ser preso se deixar a sede da missão diplomática para ser extraditado para os Estados Unidos e julgado pela publicação no WikiLeaks de segredos militares e documentos diplomáticos americanos em 2010.

Desde que lhe concedeu o asilo, Quito espera que as autoridades britânicas lhe entreguem um salvo-conduto para que ele possa sair do Reino Unido.

A chanceler equatoriana assegurou que a situação de Assange "do ponto de vista humano não é sustentável".

"Uma pessoa não pode viver nessas condições para sempre, e estamos buscando de maneira muito respeitosa com o Reino Unido mecanismos de solução", garantiu.

* AFP

>
 Veja também
 
 Comente essa história