A equipe do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) crê que o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos expandiu em um ritmo sólido em 2017 e revisou "modestamente" para cima as projeções para o crescimento econômico dos próximos anos. De acordo com a ata da última reunião de política monetária da instituição, divulgada nesta quarta-feira, a equipe também crê que o PIB deve crescer acima do potencial pelo menos até 2019.

O documento mostra que a equipe do Fed prevê que a taxa de desemprego deve continuar a cair nos próximos anos. O reflexo desse movimento sobre os salários, por outro lado, é mais incerto, com apenas "alguns" dirigentes apostando que eles vão crescer. Mesmo assim, a equipe projetou que o índice dos preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) deve acelerar ao longo de 2018, à medida que fatores transitórios desapareçam das contagens, e que o indicador termine o ano no mesmo patamar de 2017. A projeção para o PCE de 2017, inclusive, foi revisada para cima.

A equipe também discutiu o fenômeno do achatamento da curva de juros nos EUA, mas minimizou o fato, afirmando que ele "não é incomum para padrões históricos". Alguns dirigentes expressaram preocupação com uma possível inversão da curva de juros, o que pode indicar uma recessão. Outros, no entanto, sinalizaram que uma coisa não necessariamente leva à outra.

Dirigentes também sugeriram que o FED estude novas formas de condução da política monetária, uma vez que existe alta probabilidade de que os juros voltem a zero em uma próxima recessão. Presidente do Fed, Janet Yellen chegou a comentar que a instituição ainda não discute ativamente mudanças em sua política, como uma transição do regime de metas de inflação para metas de nível de preços, por exemplo. Parte dos dirigentes entendeu que isso poderia ser considerado, assim como metas de crescimento do PIB. (Com Dow Jones Newswires)

 Veja também
 
 Comente essa história