Suspeito de matar professor indígena é preso em Gaspar, no Vale do Itajaí Polícia Civil/Divulgação

Foto: Polícia Civil / Divulgação

Foi preso na manhã desta sexta-feira (12) o suspeito de matar o professor indígena Marcondes Nambla, de 36 anos, espancado em Penha na madrugada do dia 1º de janeiro. Segundo o delegado-geral adjunto da Polícia Civil em Santa Catarina, Marcos Ghizoni, Gilmar César de Lima, de 23 anos teria confessado o crime após ser localizado na casa de familiares após oito mandados de busca.

— Ele confessou que realmente matou o índio por uma discussão envolvendo o cachorro dele — afirmou Ghizoni.

Segundo delegado Douglas Teixeira Barroco, responsável pela investigação do caso, o homem morava em Gaspar e atualmente residia em Penha, no Litoral Norte, mas teria abandonado a casa após o crime e estava foragido.

Segundo a polícia, Lima teria antecedentes por crimes como homicídio qualificado, roubo, furto, lesão corporal e receptação. O delegado-geral adjunto da Polícia Civil em Santa Catarina, Marcos Ghizoni, já havia confirmado que "o índio foi morto pelo que chamamos tecnicamente de motivo fútil". 

O delegado Barroco cita que a identificação do suspeito só foi possível através do vídeo de uma câmera de segurança que registrou o momento da agressão, e da ajuda de testemunhas oculares do ocorrido. 

—Inclusive, ele falava que fez aquilo porque a vítima mexido com o cachorro dele. Falava isso para as pessoas que estavam passando pelo local — cita o delegado responsável pelo caso. 

Leia mais:

"A comunidade está revoltada", diz líder da aldeia de professor morto em Penha

Polícia descarta latrocínio e investiga morte de indígena 

Indígenas fazem homenagem a Marcondes Namblá no local onde ele foi espancado em Penha


 Veja também
 
 Comente essa história