Cepon inaugura centro cirúrgico e recebe aumento no repasse do Estado Tiago Ghizoni/Diário Catarinense

A obra custou R$ 14 milhões

Foto: Tiago Ghizoni / Diário Catarinense

A novela da construção da UTI e do centro cirúrgico de alta complexidade do Centro de Pesquisas Oncológicas (Cepon), em Florianópolis, teve o último capítulo nesta terça-feira. A obra foi, enfim, inaugurada em um evento com a presença do governador Eduardo Pinho Moreira e do secretário de Saúde de Santa Catarina, Acélio Casagrande. Além da abertura da nova ala, a direção da unidade recebeu a confirmação de que terá um aumento nos repasses mensais do Estado. Os valores vão pular de R$ 5,9 milhões para R$ 7,4 milhões.

Em 2015, um impasse entre o Governo estadual e a Fahece paralisou por quase um ano os trabalhos. A interrupção foi motivada pelo bloqueio dos repasses do BNDES que só aceitava liberar a verba quando o terreno, de propriedade da fundação, fosse doado para o Estado. Após muita discussão, a entidade devolveu o terreno ao Estado e as obras foram retomadas. No cronograma original, no entanto, os trabalhos foram atrasados em pelo menos três anos.

A primeira cirurgia no espaço recém-inaugurado está marcada para 18 de junho. A expectativa da diretora do Cepon, Maria Tereza Evangelista Schoeller, é ter 200 procedimentos por mês no local. Inicialmente, serão 120, mas em plena atividade esse número vai aumentar. A obra custou R$ 14 milhões.

— Hoje a fila de espera é de seis meses para quem precisa de uma cirurgia de alta complexidade. Agora vai cair para 60 dias — afirmou a diretora.

Até o começo desse ano, a principal reclamação da direção do centro e da Fundação de Apoio ao Hemosc e Cepon (Fahece) era a falta de repasse dos valores mensais determinados em contrato. Mas, de acordo com Pinho Moreira e com Maria Tereza, os recursos de 2018 estão regularizados. Há ainda R$ 50 milhões a serem pagos tanto para o Cepon quanto para o Hemosc. As formas de pagamento estão sendo discutidas, segundo o secretário de saúde.

Para o presidente de honra da Associação dos Amigos e Pacientes de Câncer (Aspac), João Vianei, a nova unidade vai desafogar hospitais de outras partes do Estado, que hoje absorvem o atendimento represado:

— Cada paciente que entrar aqui, vai liberar o espaço de outro hospital.

Detalhes da nova estrutura

- Serão quatro salas de cirurgia, mais 10 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), cinco leitos de recuperação pós-anestésica, 18 leitos de internação pós-operatória e uma Central de Materiais Esterilizados (CME)

- O investimento estadual foi de R$ 14,2 milhões

- O quadro de funcionários saltará dos atuais 580 para 684. A área construída também vai aumentar em 1,5 mil metros quadrados

- A primeira cirurgia será no dia 18 de junho. Serão 120 procedimentos por mês no começo dos trabalhos, mas esse número vai aumentar para 200 gradativamente.

Leia as últimas notícias do DC

 Veja também
 
 Comente essa história