Cinco pessoas são mortas em apart-hotel em Florianópolis  Felipe Carneiro/Diário Catarinense

Local da chacina na manhã desta sexta-feira

Foto: Felipe Carneiro / Diário Catarinense

Cinco pessoas foram encontradas mortas em um apart-hotel em Canasvieiras, no Norte da Ilha de Santa Catarina, na madrugada desta sexta-feira, dia 6. Segundo a Polícia Militar, seis pessoas foram feitas reféns, sendo quatro da mesma família. Uma funcionária do hotel conseguiu fugir e acionar a PM.  A princípio a causa da morte teria sido asfixia. 

As vítimas foram identificadas pela PM como Paulo Gaspar Lemos, 78 anos, Leandro Gaspar Lemos, 44,  Paulo Gaspar Lemos Junior, 51, Kátya Gaspar Lemos, 50, e Ricardo Lora, 39. Eles foram feitos reféns conforme chegavam ao apart-hotel. 

O que já se sabe sobre as vítimas da chacina em Canasvieiras

— Tudo indica que foi acerto de contas, eles deixaram inscrições nas paredes de uma facção de São Paulo. Essas são as informações iniciais — explica o  tenente-coronel Marcelo Pontes.

O comandante-geral da Polícia Militar de Santa Catarina, coronel Araújo Gomes, acredita em vingança pontual. Os criminosos não levaram bens das vítimas, segundo a PM, apenas a central de monitoramento de vídeo do local. 

"Indícios de vingança pontual", diz comandante-geral da PM

Segundo informações preliminares, os parentes eram donos e moradores do apart-hotel. Eles seriam de São Paulo, mas moravam na Capital há cerca de 10 anos. Já Ricardo Lora seria sócio de um deles. Não houve registro de disparo de arma de fogo.

Conforme a PM, três homens teriam invadido o Venice Beach Residence por volta das 16h de quinta-feira e teriam permanecido no local até 0h de sexta-feira. Ainda segundo a PM, os cinco corpos foram encontrados amarrados, cada um em um quarto do apart-hotel, que fica a 100 metros da praia de Canasvieiras.  Um deles estava no subsolo, na lavanderia.

Nenhuma das cinco vítimas tinha passagens pela polícia em SC por crimes graves. Apenas Paulo tinha Boletim de Ocorrência por calúnia e Leandro por apropriação indébita. 

Chacina em Canasvieiras rompe queda de crimes no Norte da Ilha

Por volta das 7h desta sexta-feira, o local estava fechado e nenhum morador foi encontrado. Não havia fitas de isolamento e luzes estavam acesas em alguns apartamentos. Segundo a PM, nenhum suspeito foi localizado até 12h desta sexta-feira. Até 9h30min, os corpos ainda estavam no Instituto Médico Legal. 

Outras chacinas em Florianópolis

Os assassinatos em Canasvieiras aconteceram pouco mais de um ano depois da chacina na Vila União, comunidade que fica no bairro Vargem do Bom Jesus, também no Norte da Ilha. Um tiroteio por disputa de pontos de droga na região terminou  em cinco mortos na comunidade. Além disso, na mesma noite, outro homicídio foi registrado no Rio Vermelho, na mesma região. 

No mesmo mês,  quatro homens após confronto na Costeira, no sul da Ilha de Santa Catarina, também por disputa de pontos de tráfico de drogas.   

Leia mais:

Leia mais notícias de Segurança no Diário Catarinense

Polícia Civil esclarece chacina na Vila União, em Florianópolis

Em 2017: Florianópolis tem duas chacinas no intervalo de 13 dias




 Veja também
 
 Comente essa história