Prova Real: checamos afirmações do candidato ao governo de SC pelo PSOL, Leonel Camasão Diorgenes Pandini/Diario Catarinense

Foto: Diorgenes Pandini / Diario Catarinense

Candidato ao governo de Santa Catarina pelo PSOL, Leonel Camasão foi entrevistado pela CBN nesta segunda-feira, na sexta rodada de entrevistas com os concorrentes a governador nas eleições 2018, durante o programa Notícia na Manhã, com Mario Motta. O Prova Real verificou as declarações a seguir: 

"60% do eleitorado ou declara que vai votar em branco ou nulo ou não sabem em quem votar"


Pesquisa Ibope divulgada em 17 de agosto, encomendada pela NSC Comunicação, apontou que 57% dos 812 eleitores entrevistados em 46 municípios, entre 14 e 16 de agosto, não tinham candidato definido ao governo do Estado. São 34% que responderam votar em branco ou nulo e 23% que não sabem ou não responderam. 

Para o Senado, o número médio (o eleitor terá de escolher dois candidatos) também é próximo de 60%, sendo 49% apenas para os que não sabem ou não responderam. Já para presidente, o nível de indecisão é menor. No cenário com Lula (PT), 23% declararam não saber em quem votar ou devem anular o voto. Sem Lula, o índice sobe para 30%. 

Contraponto

A assessoria do candidato disse que não comentaria a checagem.


"Quando eu concorri a prefeito de Joinville, o candidato que venceu gastou 1.094 vezes mais do que eu"


Leonel Camasão gastou R$ 5.238,64 em campanha quando concorreu à prefeitura de Joinville, em 2012, segundo relatório de prestação de contas disponível no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 

Já a coligação de Udo Döhler (MDB), que venceu o pleito, listou despesas de R$ 5.734.517,21. A campanha do candidato Udo, portanto, gastou 1.094 vezes mais do que a de Camasão. É possível acessar os dados neste link

“Nós temos mais da metade dos professores (da rede estadual) como professores temporários"


Dados da Secretaria de Estado da Educação, enviados ao Prova Real por e-mail, apontam 40.318 professores ativos atualmente vinculados à pasta. Destes, 22.401 são os chamados admitidos em caráter temporário (ACTs), que representam mais da metade do total (55,5%). 

A meta 17 do Plano Estadual de Educação, aprovado em 2015, determina que até 2024 a rede mantenha a proporção de 80% de professores efetivos (que atuam diretamente em sala de aula) contra 20% de temporários. 


"O valor das isenções fiscais (do Estado) é o dobro do déficit previsto para 2019"

 

O valor referente às isenções e benefícios fiscais deste ano é de R$ 5,8 bilhões, segundo a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2018, aprovada na Assembleia Legislativa no ano passado. 

Foto:

 

Sobre o déficit orçamentário previsto para 2019, o atual governador, Eduardo Pinho Moreira,  declarou publicamente a estimativa de déficit de R$ 3 bilhões para 2019. Ao Prova Real, a Secretaria de Estado da Fazenda confirmou a previsão. 

Em nota, a pasta detalhou a projeção: “está prevista a destinação de mais 1% para a Saúde – o repasse será de 15%, ou seja, mais R$ 250 milhões; o pagamento de precatórios sem contar com os depósitos judiciais, na ordem de R$ 350 milhões; o crescimento do déficit previdenciário, ainda não projetado (a depender do número de aposentadorias no decorrer deste ano); acréscimo de 1% de emendas parlamentares impositivas; e o cumprimento de quitação de dívidas do sistema prisional e da Saúde". 

A Secretaria da Fazenda destaca ainda que o valor da dívida pública pode ser ainda maior devido à volatilidade do dólar, hoje cotado na casa dos R$ 4,08.

"A população de rua de Florianópolis, por exemplo, quase dobrou em um ano"

De acordo com a Secretaria de Assistência Social de Florianópolis, em julho deste ano a cidade tinha 459 pessoas em situação de rua, 50 a menos do que o registrado pelo órgão municipal em julho de 2017.

Foto:

O Ministério Público de Santa Catarina tem número aproximado. De acordo com o Promotor de Justiça, Daniel Paladino, que atua na área da cidadania na Capital, são em torno de 500 moradores de rua. O órgão leva em conta dados da Secretaria de Assistência Social e da Delegacia de Pessoas Desaparecidas.

Ainda que os dados levem em conta apenas os moradores de rua que procuram a prefeitura em busca de benefícios sociais esse é o único disponível. De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o Brasil não conta com dados oficiais sobre a população em situação de rua. O IBGE vai incluir esse público no Censo em 2020 a pedido da Defensoria Pública da União.

Contraponto

A assessoria do candidato disse que ele se baseou em uma reportagem sobre este  Diagnóstico de População de Rua do Instituto Comunitário da Grande Florianópolis. O estudo foi publicado no ano passado e ouviu cerca de mil moradores de rua de Palhoça, São José, Biguaçu e Florianópolis, mas o próprio diagnóstico deixa claro (pg.4) que “A pesquisa não teve caráter censitário, refletindo apenas a percepção dos entrevistados”, ou seja, não fez a contagem populacional de pessoas nessa situação.

Entrevistas na CBN Diário

Serão feitas até o dia 30, sempre a partir das 10h, durante o programa Notícia na Manhã, com Mario Motta. Confira a ordem dos entrevistados:

21/8, terça-feira – Carlos Moises da Silva (PSL) - VEJA AQUI A CHECAGEM DO PROVA REAL 

22/8, quarta-feira - Décio Lima (PT) - VEJA AQUI A CHECAGEM DO PROVA REAL 

23/8, quinta-feira – Gelson Merisio (PSD) - VEJA AQUI A CHECAGEM DO PROVA REAL

24/8, sexta-feira – Ingrid Assis (PSTU) - VEJA AQUI A CHECAGEM DO PROVA REAL

25/8, sábado – Jessé Pereira (Patriota) - VEJA AQUI A CHECAGEM DO PROVA REAL

27/8, segunda-feira – Leonel Camasão (PSOL)
28/8, terça-feira – Mauro Mariani (MDB)
29/8, quarta-feira – Rogério Portanova (Rede)
30/8, quinta-feira – Ângelo Castro (PCO)

O Prova Real é a iniciativa de fact-checking e debunking da NSC Comunicação. Você também pode sugerir temas pelo e-mail provareal@somosnsc.com.br ou pelo WhatsApp (48) 99188-2253. Confira mais checagens na nossa página. 

 Veja também
 
 Comente essa história