Bolsonaro recebe alta do Hospital Albert Einstein ELIANE NEVES/FOTOARENA/Estadão Conteúdo

Presidenciável ficou internado por quase um mês após facada no abdômen

Foto: ELIANE NEVES/FOTOARENA / Estadão Conteúdo

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, deixou na tarde deste sábado (29) o Hospital Albert Einstein, em São Paulo, após 22 dias internado. O deputado federal seguiu para o aeroporto de Congonhas, onde pegará um voo, às 15h, rumo ao Rio de Janeiro.

De acordo com boletim médico divulgado pela instituição, Bolsonaro recebeu alta às 10h. Não foram informados detalhes de seu estado de saúde.

Eleições 2018: veja as principais informações em página especial

Bolsonaro saiu da instituição sem falar com a imprensa. Mais cedo, o candidato ao Senado Major Olímpio (PSL-SP) adiantou que o presidenciável já havia recebido alta e que, a partir de agora, fará campanha de sua casa. 

Segundo Olímpio, Bolsonaro deve respeitar as recomendações médicas. Porém, afirmou "não duvidar" que o candidato faça campanha nas ruas já nos próximos dias e disse que ele quer participar do último debate antes do primeiro turno, na próxima quinta-feira (4), na TV Globo.

— Obviamente ainda há uma convalescença que permanece pelos próximos 15 dias — ponderou Gustavo Bebianno, presidente do PSL.

Bebianno declarou que o presidenciável não terá condições de fazer campanha nas ruas e corpo a corpo mesmo com a "recuperação espantosa" e que a participação no debate dependerá de orientações médicas. Por ora, a recomendação é que passe 10 dias sem sair de casa.

O presidenciável estava internado no Albert Einstein desde o dia 7 de setembro, quando foi transferido da Santa Casa de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Um dia antes, sofreu um atentado à faca no início durante um ato de campanha na cidade mineira. Depois do ataque, passou por duas cirurgias.

Leia também:

Vídeos foram alterados para parecerem gravações de atos em prol de Bosonaro

Posts que anunciam vitória de Bolsonaro no 1º turno com 61% são enganosos

 Veja também
 
 Comente essa história