É falsa notícia de que Jean Wyllys foi convidado para ser ministro da Educação de Haddad Reprodução/Internet

Foto: Reprodução / Internet

A checagem abaixo foi produzida pelo Projeto Comprova, iniciativa que reúne a NSC Comunicação e outros 23 veículos de mídia do país no combate à desinformação nas Eleições 2018. A checagem foi feita pela NSC e veículos parceiros: Estadão, piauí, Poder360, Folha de S. Paulo, SBT, AFP, Correio do Povo, Gazeta Online, Jornal do Commercio e UOL.

Falso - O boato usa a marca do site G1, que jamais publicou a matéria. 

Alterado digitalmente - É possível alterar elementos do código HTML das páginas de internet, mas as mudanças não são públicas, só aparecem no computador de quem fez a edição.

É falso o tweet que alega que o deputado federal Jean Wyllys (Psol-RJ) foi convidado para ser ministro da Educação num possível governo de Fernando Haddad, candidato à presidência da República pelo Partido dos Trabalhadores.

A postagem enganosa usa uma imagem manipulada do portal G1 com a seguinte manchete: "Jean Wyllys confirma convite de Haddad para ser Ministro da Educação em eventual governo do petista". Isso é falso e a reportagem não foi publicada pelo site.

O texto da montagem foi feito com padrões de escrita diferentes daqueles usados pelo G1. As palavras “deputado” e “ministro”, por exemplo, foram grafadas com caixa alta. Quando não iniciam frases, o portal usa caixa baixa para elas - como neste exemplo. O portal também publicou um desmentido sobre a informação falsa que circula atrelada a sua marca. 

Como o código fonte e os elementos do HTML das páginas de internet podem sempre ser acessados por meio dos próprios aplicativos de navegação (Google Chrome, Internet Explorer e Mozilla Firefox, por exemplo), é possível editar os textos que eles armazenam. No entanto, as alterações só ficam disponíveis para quem faz as edições. Logo, o texto alterado não é exibido para os demais internautas que acessam os sites.

Outra evidência de que a informação é falsa está no nome de quem é o responsável pela suposta reportagem. O jornalista que assina o texto é Bernardo Caram. A matéria falsa está datada de 20 de setembro de 2018. É verdade que Caram trabalhou no G1, mas entre outubro de 2016 e março de 2018. Atualmente ele é jornalista da Folha de S.Paulo, integrante do Comprova.

As assessorias de Fernando Haddad e de Jean Wyllys também negaram a informação.

O tweet falso foi publicado em 21 de setembro de 2018 pelo usuário @fabiopatriota10. Até a noite desta sexta-feira, 21 de setembro, a publicação teve 2,3 mil curtidas, 1,2 mil compartilhamentos e 297 comentários. 

Leia mais publicações do Prova Real

O Prova Real é a iniciativa de fact-checking e debunking da NSC Comunicação. Você também pode sugerir temas pelo e-mail provareal@somosnsc.com.br ou pelo WhatsApp (48) 99188-2253.  

Leia mais

"Petistas nus" não invadiram manifestação pró-Bolsonaro nos Estados Unidos

Texto de apoio ao candidato à Presidência Jair Bolsonaro não é de Arnaldo Jabor

Agricultor escreve o nome de Bolsonaro em plantações

União Europeia não pediu retaliação ao Brasil por prisão de Lula

Sonia Guajajara, vice de Boulos, usa nome indígena com amparo da legislação

 Veja também
 
 Comente essa história