Prefeito de Chapecó é expulso do PSB por apoiar Bolsonaro Marco Favero/Agëncia RBS

Foto: Marco Favero / Agëncia RBS

A direção nacional do Partido Socialista Brasileiro (PSB) expulsou dos quadros da sigla o prefeito de Chapecó, Luciano Buligon, nesta terça-feira (18), por declarar apoio a candidatura a presidente de Jair Bolsonaro (PSL). 

Em nota assinada pelo presidente do partido, Carlos Siqueira, a expulsão é justificada pela deliberação do congresso nacional do PSB, que decidiu que os membros da legenda apoiariam somente candidaturas de centro-esquerda nas eleições. Outra definição era que não seria admitido o apoio a candidatos da direita, em especial a Bolsonaro. 

O PSB entende que o apoio de Buligon ao candidato do Partido Social Liberal "consiste em iniciativa que afronta decisão colegiada máxima do PSB, fato que enseja a expulsão sumária".

O presidente do partido socialista explica a expulsão ad referendum, para posterior aprovação da Executiva Nacional, "por não aceitar a mais remota proximidade com a extrema-direita", e pela "fidelidade histórica do PSB a seus princípios programáticos e político-ideológicos".

Veja também: Confira seis aplicativos que ajudam na fiscalização da eleição

Eleições SC: TRE-SC rejeita 40 registros de candidatura

Pedido dos eleitores

Buligon explica que decidiu manifestar-se em favor de Bolsonaro por causa de um pedido de seus eleitores, lideranças comunitárias e de cooperativas, que são apoiadores do candidato à Presidência. 

– Eles (eleitores, lideranças de bairros e de cooperativas) me pediram para tomar uma posição, até porque o PT está no segundo turno, consolidou o Haddad. Ouvindo eles eu tomei uma posição – declara o prefeito.  

Em reunião nesta terça-feira, às 19h30, o prefeito vai discutir com correligionários encaminhamentos para os próximos dias de campanha e como se dará o apoio a Jair Bolsonaro pela região Oeste de Santa Catarina.

Sobre a expulsão do partido, Buligon diz que não vai recorrer ou buscar solução agora, pois seu foco é contribuir na campanha destas eleições. Pelo mesmo motivo, vai ficar sem partido até outubro. Em nota distribuída à imprensa pela assessoria, Buligon afirma: "Entre minha cidade e o meu partido, minha decisão será sempre em prol da minha cidade.  

Confira abaixo a nota na íntegra:

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) deliberou, em seu Congresso Nacional Eleitoral realizado no dia 5 de agosto do corrente ano, que apoiaria candidaturas de centro-esquerda nas eleições presidenciais, uma vez não se apresentaria ao pleito com projeto próprio.

Na mesma oportunidade, o partido definiu que não admitiria em hipótese alguma apoio a candidaturas de direita do espectro político-partidário, com destaque para aquela liderada por Jair Bolsonaro. Cumpre observar que o Congresso Nacional, instância decisória máxima no âmbito do PSB, estabeleceu por meio da Resolução Política ser vetado

[...] rigorosamente a qualquer membro ou seção partidária, o apoio à candidatura do deputado Jair Bolsonaro [...]  pelo que ela representa de ameaça à democracia e aos direitos humanos.

Neste contexto, a decisão do senhor prefeito de Chapecó, Santa Catarina, Luciano Buligon, de apoiar o candidato do Partido Social Liberal consiste em iniciativa que afronta decisão colegiada máxima do PSB, fato que enseja a expulsão sumária.

Considerados, portanto, a gravidade da situação que se apresenta e a fidelidade histórica do PSB a seus princípios programáticos e político-ideológicos, que não admite nem mesmo a mais remota proximidade com a extrema-direita, procedo à expulsão do Sr. Luciano Buligon, dos quadros do Partido, ad referendum da Comissão Executiva Nacional.

Brasília-DF, 18 de setembro de 2018.

CARLOS SIQUEIRA

Presidente Nacional do Partido Socialista Brasileiro - PSB

Veja mais notícias das Eleições 2018

Leia também: 

Prova Real: verificamos afirmações de candidatos a governador no debate da CBN Diário

João Rodrigues tem candidatura rejeitada pelo TRE-SC

 Veja também
 
 Comente essa história