Suspeito de esfaquear Bolsonaro esteve em clube de tiro na Grande Florianópolis Reprodução/Facebook

Foto: Reprodução / Facebook

O homem apontado como suspeito de esfaquear o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), Adelio Bispo de Oliveira, esteve em um clube de tiro de São José, na Grande Florianópolis em julho deste ano. De acordo com a direção do Clube e Escola de Tiro .38, o homem foi ao local para praticar tiro ao alvo e foi embora.

A informação da visita consta na página do Facebook de Oliveira. Segundo o check-in feito pelo homem, ele esteve no clube no dia 5 de julho. A direção da escola afirmou que essa foi a única vez que Oliveira esteve no local.

O Clube e Escola de Tiro .38 é frequentado por dois filhos de Jair Bolsonaro, Carlos e Eduardo. Segundo a direção, os dois são associados à entidade e têm uma relação próxima com os donos da empresa. Apesar da proximidade, eles não estavam no clube quando Oliveira foi ao local.

A entidade afirmou que considera o episódio contra Bolsonaro lamentável e que se trata de um atentado terrorista contra a democracia.

Outras imagens em Florianópolis

Na página de Adelio, há outras fotos dele em Florianópolis. Uma delas é durante um protesto organizado por militantes de esquerda, que pediam a saída do presidente Michel Temer.

O perfil do suspeito é repleto de postagens que indicam confusão de ideias. Há publicações em ele critica políticos de direita, como Bolsonaro, e também outras que critica políticos da esquerda, como o ex-presidente.

Quadro é grave, mas estável, diz hospital

O ataque contra Jair Bolsonaro aconteceu na tarde desta quinta-feira (6). O candidato realizava um ato de campanha em Juiz de Fora, em Minas Gerais, quando foi atingido por uma facada.

Ele deu entrada no hospital Santa Casa da Misericórdia, também em Juiz de Fora. De acordo com a equipe médica, ele chegou com sinais de choque, hemorragia, ferimentos em uma veia abdominal e cortes nos intestinos grosso e delgado.

A equipe médica afirmou que o ferimento no intestino delgado era grave e, por isso, submeteu o político a uma colostomia. A cirurgia durou cerca de duas horas. Em seguida, Bolsonaro foi levado à Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O quadro de saúde do candidato é considerado grave, mas o paciente está estabilizado. Segundo os médicos, ele já está consciente e deverá seguir internado por período mínimo de sete a 10 dias.

Investigação da PF

Após a prisão, o suspeito foi encaminhado para a Polícia Federal (PF), em Juiz de Fora. A corporação abriu inquérito para investigar o caso. Em nota, a PF informou que agentes acompanhavam Bolsonaro no ato em que aconteceu o ataque. 

Leia mais

Ataque a Bolsonaro "aumenta nossas preocupações com as eleições", diz comandante do Exército

Candidatos à Presidência repudiam atentado a Bolsonaro

"Só se aproximou e esfaqueou", diz deputado que estava em ato de Bolsonaro

 Veja também
 
 Comente essa história