O candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) afirmou, neste domingo (21), que "esses marginais vermelhos", referindo-se aos adversários petistas, "serão banidos de nossa pátria". Bolsonaro fez a manifestação em vídeo transmitido ao vivo para apoiadores de sua candidatura que protestavam na avenida Paulista, em São Paulo. O vídeo, disponível no YouTube, foi publicado em sua conta no Twitter.

— Nós somos a maioria. Nós somos o Brasil de verdade. Junto com esse povo brasileiro, construiremos uma nova nação. Não têm preço as imagens que vejo agora da Paulista e de todo o meu querido Brasil — afirmou o capitão da reserva, enquanto os simpatizantes gritavam "um, dois, três, quatro, cinco, mil, queremos Bolsonaro presidente do Brasil".

Na sequência, o militar reformado complementou:

— Perderam ontem, perderam em 2016 e vão perder a semana que vem de novo. Só que a faxina agora será muito mais ampla. Essa turma, se quiser ficar aqui, vai ter que se colocar sob a lei de todos nós. Ou vão pra fora ou vão para a cadeia. Esses marginais vermelhos serão banidos de nossa pátria.

Bolsonaro disse ainda acreditar "no futuro do Brasil":

— Juntos, em equipe, construiremos o futuro que nós merecemos. Temos o melhor povo do mundo, a melhor terra do planeta. E vamos, com essa nova classe política, construir realmente aquilo que nós merecemos. Estou aqui porque acredito em vocês. Vocês estão aí, porque acreditam no Brasil. Ninguém vai sair dessa pátria, porque essa pátria é nossa, não é dessa gangue que tem uma bandeira vermelha e tem a cabeça lavada. 

Prometeu fazer um time de ministros "sem indicações políticas".

— O Brasil será respeitado lá fora. O Brasil não será mais motivo de chacota junto ao mundo — afirmou.

Em seguida, aos gritos de "mito, mito",  ele voltou a citar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva:

— Aqui não terá mais lugar para a corrupção. E seu Lula da Silva, se você estava esperando o Haddad (Fernando Haddad, do PT) ser presidente para assinar o decreto de indulto, eu vou te dizer uma coisa: você vai apodrecer na cadeia. E brevemente você terá Lindbergh Farias (senador do PT) para jogar dominó no xadrez. Aguarde, o Haddad vai chegar aí também. Mas não será para visitá-lo, não, será para ficar alguns anos ao teu lado.

 Leia mais

Eduardo Bolsonaro diz que "nunca" defendeu fechamento do STF

Rosa Weber nega falha da Justiça Eleitoral no combate de fake news

Mensagem em que Haddad elogia a Venezuela é falsa

As estratégias na última semana de campanha dos candidatos ao governo

 Veja também
 
 Comente essa história