Problema de saúde tira Comandante Moisés (PSL) de debate na NSC TV nesta quinta Marco Favero/Diário Catarinense

Foto: Marco Favero / Diário Catarinense

Diagnosticado com uma infecção aguda das vias aéreas superiores, o candidato Comandante Moisés (PSL) não participará do último debate televisivo antes do segundo turno, que ocorreria na noite desta quinta-feira, na NSC TV. A confirmação da ausência veio às 19h40min, após avaliação médica.

De acordo com nota divulgada ainda durante a tarde pela assessoria do pesselista, a infecção já havia obrigado o candidato a suspender a agenda na quarta-feira. Uma nova avaliação à noite reafirmou que "o quadro clínico do candidato do PSL não apresentou melhora, ainda que procedido o tratamento conforme prescrição", segundo texto enviado pela assessoria, que também lamentou a situação, destacando que ele participou de todos os debates aos quais foi convidado no primeiro turno e que o último embate, na NSC TV, teria "importantes momentos para estreitar a relação com a população, apresentando mais propostas".

Foto: Divulgação / PSL de SC

A equipe de Moisés também divulgou o atestado médico, assinado pelo pneumologista Emilio Pizzichini, declarando que o candidato precisa de tratamento medicamentoso para tratamento de uma infecção aguda de vias aéreas e repouso por três dias, inicialmente. Portanto, o pesselista não participará mais de agendas públicas da campanha na reta final do segundo turno.

Foto: Divulgação / PSL de SC

Coordenador da campanha do PSL estadual, Douglas Borba esteve com Moisés nesta quinta e diz que o candidato estava triste em não participar do debate, já que tinha se preparado e inclusive se preservado em agendas anteriores para garantir a ia ao encontro na NSC TV.

— Ele não consegue falar. Teve um processo de desgaste de voz durante a campanha, a gente vinha controlando isso. Na terça, no evento na Acate ele apresentou uma piora e de terça para quarta teve um agravamento. Hoje (nesta quinta) ele acordou simplesmente sem poder falar. Queríamos até fazer um vídeo para redes sociais para ele mesmo explicar, mas nem isso ele conseguiu — afirma.

Nesta sexta-feira ainda há exibição de programas eleitorais em rádio e TV. As exibições não serão prejudicadas porque Moisés já tinha finalizado a gravação dos vídeos e áudios na segunda-feira.

Entrevista com Merisio

Conforme previam as regras do debate, acertadas em comum acordo pelas assessorias dos candidatos em reunião no dia 18 de outubro, Gelson Merisio (PSD) será entrevistado ao vivo pelo jornalista Mário Motta durante 20 minutos. A exibição será após a novela Segundo Sol.

Foto: Reprodução

Candidato do PSL lidera pesquisas

Moisés é o líder nas pesquisas de intenção de voto para o segundo turno em SC. No levantamento do Ibope divulgado na sexta-feira passada, o candidato do PSL aparece com 51% dos votos totais, contra 35% de Merisio. Em votos válidos, o pesselista aparece à frente com 59%, enquanto o adversário soma 41%.

Ele chegou à fase final da campanha após surpreender no primeiro turno, impulsionado pela onda Bolsonaro em todo o país. Apontado como quarto colocado nas pesquisas, terminou a corrida eleitoral em segundo, com 1.071.406 votos, o equivalente a 29,72% do total. Merisio foi o primeiro, com 1.121.869 votos (31,12%).

Acompanhe a apuração voto a voto das eleições

O segundo turno das eleições 2018 ocorre neste domingo, dia 28 de outubro. A votação começa às 8h e termina às 17h. Se o eleitor já estiver dentro da seção até o horário de encerramento, terá garantido o direito de votar. Os mesários deverão distribuir senhas.

Serão escolhidos representantes para dois cargos: governador e presidente. Na corrida pela presidência estão Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). Já na disputa em Santa Catarina concorrem Gelson Merisio (PSD) e Comandante Moisés (PSL). A NSC Comunicação acompanha a apuração do segundo turno em tempo real.

Eleições 2018: tudo o que você precisa saber para votar no 2º turno

Leia mais

Diante de recusa de Bolsonaro, TV Globo não chamará Haddad

FHC critica Bolsonaro nas redes sociais e diz que país precisa de coesão

Haddad nega que tenha tratado de apoio em telefonema a FHC

 Veja também
 
 Comente essa história