Segundo show de Roger Waters em São Paulo tem "ponto de vista político censurado" /

Na segunda apresentação de Roger Waters desta quarta-feira (10), no Allianz Parque, em São Paulo, sua opinião política voltou a causar polêmica. O ex-integrante do Pink Floyd colocou a frase "ponto de vista político censurado" nas imagens em que criticava o neo-fascismo e o atual candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro. 

Os momentos foram registrados pelo jornalista José Norberto Flesch, do jornal Destak, em sua conta no Twitter, e pela youtuber Janaína Isabel. Logo depois de exibir a faixa "Ponto de vista politico (sic) censurado", o telão exibe rapidamente o nome de Jair Bolsonaro. 

Segundo informações do Estado de S. Paulo, o público da pista gritou "Ele não" durante a performance de Another Brick In The Wall, quando o letreiro referenciando Bolsonaro era exibido. A atitude foi aprovada por Waters:

— Vocês, crianças, são fantásticas. Vou fazer um intervalo e continuar com a resistência! — disse ele.

Em resposta, logo depois dos gritos das pessoas contrárias ao candidato do PSL, um grupo na pista começou a gritar com outro protesto: "Hey, Lula, vai tomar no c*". O momento se dividiu entre vaias e aplausos.  

As movimentações ocorreram após Roger chamar Bolsonaro de neo-fascista no show de terça-feira (9) e pedir ao público que resistisse ao movimento que estaria crescendo no mundo todo: o nome do candidato a presidência brasileiro apareceu ao lado de outros políticos da extrema-direita, como Trump, Le Pen e Farage. O músico recebeu vaias, junto a coros de "Fora PT", assim como aplausos de apoio com gritos de "Ele não".

Depois dos shows em São Paulo, Roger Waters passa por outras capitais brasileiras: Brasília, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Curitiba e, por fim, Porto Alegre.


 Veja também
 
 Comente essa história