Veleiro ECO, da UFSC, vai parar na praia em Jurerê Internacional Márcio Dantas/NSCTV

Foto: Márcio Dantas / NSCTV

O Veleiro ECO, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), se desprendeu do local em que estava atracado e foi parar na praia de Jurerê Internacional na manhã desta segunda-feira (22). De acordo com a equipe do projeto, o vento nordeste muito intenso e um problema na amarração do veleiro à "poita" – estrutura submersa em que se prende barcos, espécie de âncora – causou o incidente. Não havia ninguém embarcado no momento e não houve danos ao veleiro, nem a outras embarcações. 

O planejamento de viagens de teste e da primeira missão de estudos, agendada para 2019, segue o mesmo. 

O veleiro estava em um atraque particular na área do Iate Clube Veleiros da Ilha desde domingo (21). Até o dia anterior, o barco estava aberto a visitação na Beira-mar Norte por conta do lançamento do projeto ECO.  

Para o reboque, será necessário esperar a maré subir. A retirada deve ocorrer por volta da meia-noite, de acordo com o coordenador Veleiro ECO, Orestes Alarcon. Na terça-feira serão feitos ajustes que já estavam planejados antes do encalhe e na quarta o veleiro irá para Biguaçu.

Mesmo abalado, Alarcon disse que o ocorrido não foi uma imprudência. 

– Não é o primeiro barco que vem para a praia. Aqui está sempre vindo barco na praia.  Até o barco dos Shurmann, depois de vinte anos de navegação, caiu no mesmo lugar aqui. Mas não aconteceu nada com o barco e o planejamento continua. 

O Veleiro ECO é o primeiro primeiro barco do tipo construído exclusivamente para expedições científicas no Brasil. Além da UFSC, outras instituições de ensino nacionais e internacionais podem participar dos projetos de pesquisa promovidos com o veleiro.

Sobre o barco

O veleiro tem 60 pés de comprimento, o que equivale a 20 metros, e outros 5,3 metros de largura. O casco foi construído em alumínio, com equipamentos que permitem a navegação em diversas áreas, como mangues, zonas de águas rasas e também em águas profundas. 

O barco pode levar até 8 pesquisadores para expedições longas, além de dois tripulantes. Para missões curtas, sem pernoite, até 20 pessoas podem ser levadas.

Além de equipamentos para a coleta de material da água, o barco possui laboratórios que podem ser usados para análises preliminares dos itens que forem retirados do mar. Até agora, o investimento para a construção do barco já chegou a US$ 2 milhões.

Veja também: 

Primeiro veleiro de expedições científicas do Brasil é lançado em Santa Catarina

O mapa das startups de Santa Catarina

"Floripa, cidade utópica" reúne iniciativas para melhorar a Capital

 Veja também
 
 Comente essa história