Representantes dos países da Aliança Bolivariana para os Povos da América-Tratado de Comércio dos Povos (ALBA-TCP) analisam na Nicarágua o fortalecimento do bloco diante das "políticas agressivas" dos Estados Unidos, que ameaçam aumentar a pressão contra Venezuela, Cuba e Nicarágua.

"Nesses tempos em que ficam piores as políticas agressivas do império americano contra os países progressistas e revolucionários, os membros da ALBA-TPC decididamente dão continuidade aos esforços para consolidar a unidade, integração e solidariedade", afirmou o chanceler nicaraguense, Denis Moncada, ao abrir a reunião.

O ministro disse que a Nicarágua "resistiu e venceu" este ano uma "tentativa de golpe de Estado das forças oligárquicas e ultraconservadoras" que buscavam derrubar o governo de Daniel Ortega.

Moncada se referiu aos protestos iniciados em abril contra uma frustrada reforma de seguro social, que depois derivou em uma demanda de saída do presidente pela repressão contra os manifestantes, que deixou mais de 320 mortos.

O governo insistiu que os protestos são uma conspiração organizada por opositores locais com apoio dos Estados Unidos.

O encontro regional de dois dias em Manágua reúne membros do Conselho Político da ALBA-TPC, entre os quais se destacam os chanceleres de Venezuela, Jorge Arreaza; Bolívia, Diego Pary; El Salvador, Carlos Castañeda; o primeiro-ministro de São Vicente e Granadinas, Ralph Gonsalves; e o presidente do Banco da ALBA, Ramón Gordils.

"A Aliança Bolivariana tem que se unir não apenas para resistir, mas para avançar e, por isso, estamos aqui, para avançar na união, na integração dos nossos povos", indicou Arreaza antes de iniciar a reunião.

O encontro é realizado uma semana depois de os Estados Unidos aplicarem novas sanções contra Nicarágua, Venezuela e Cuba, os quais chamou de a "troika da tirania" no hemisfério.

Durante a reunião, à qual somente a imprensa oficial teve acesso, será definida a agenda do organismo para 2019, a situação do Banco da ALBA e temas de integração política e econômica.

* AFP

 Veja também
 
 Comente essa história