Cirurgia para retirada de bolsa de colostomia de Bolsonaro é adiada Félix Zucco/Agencia RBS

Presidente eleito passou por bateria de exames nesta sexta-feira em São Paulo

Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Após passar por exames, o presidente eleito Jair Bolsonaro teve adiada a cirurgia para retirada da bolsa de colostomia. No boletim médico divulgado nesta sexta-feira (23), o Hospital Israelita Albert Einstein disse que o caso voltará a ser avaliado em janeiro, após a posse de Bolsonaro, para que seja definido o momento ideal do procedimento.

"(O paciente) encontra-se bem clinicamente e mantém ótima evolução, porém os exames de imagem ainda mostram inflamação do peritônio e processo de aderência entre as alças intestinais. A equipe decidiu em reunião multiprofissional postergar a realização da reconstrução do trânsito intestinal", diz o comunicado do hospital.

Bolsonaro tinha expectativa de realizar a cirurgia na segunda semana de dezembro. No entanto, após receberem os resultados de foi exames laboratoriais e de imagem, os médicos concluíram que ainda não há condições para a retirada da bolsa.

Leia também: Bolsonaro anuncia Ricardo Vélez Rodríguez como ministro da Educação

Assinam o boletim médico o diretor-superintendente do Hospital Israelita Albert Einstein, Miguel Cendoroglo; o cirurgião Antônio Luiz Macedo; e o clínico e cardiologista Leandro Echenique.

Bolsonaro sofre atentado

No dia 6 de setembro, o então candidato à Presidência pelo PSL sofreu um atentado em Juiz de Fora (MG), onde participava de um ato de campanha. Bolsonaro foi atacado com uma facada por um homem quando era carregado por apoiadores.

 Veja também
 
 Comente essa história