"Fuzilaram meu filho na cama por engano", diz pai de jovem morto em hospital no RS Cid Martins / Agência RBS/Agência RBS

Marcelo Minossi (dir.), pai de Gabriel, é amparado por familiares em frente ao hospital onde o filho foi executado

Foto: Cid Martins / Agência RBS / Agência RBS

Acompanhado da madrinha, Gabriel Vilas Boas Minossi, foi assassinado por engano durante a madrugada desta sexta-feira (9), no Hospital Centenário, em São Leopoldo, cidade do Rio Grande do Sul. Aos 19 anos, o adolescente, segundo o pai, Marcelo Minossi, era "um guri trabalhador" e deveria ter recebido alta um dia antes. 

— Ele se acidentou na BR-116 (RS) vindo do trabalho. No acidente ele quebrou os dois fêmures, estava aqui desde quarta-feira (7). Ele ia embora ontem (quinta), mas ele estava com pressão alta e seguraram ele mais um dia — explica.

Gabriel estava na ala cirúrgica quando foi atacado a tiros. Segundo a Delegacia de Homicídios do RS, os atiradores queriam matar outra pessoa que estava internada no hospital, um homem que tem duas passagens em sua ficha criminal por homicídio e saiu do sistema prisional há 10 dias.

Segundo o pai de Gabriel, desde a tarde de quinta-feira (8), havia um "murmurinho" no hospital sobre a intenção dos criminosos de invadirem o local. O jovem estava no mesmo quarto do alvo dos bandidos, "a quatro macas de distância", acompanhado da madrinha, irmã de Marcelo. Devido a pedidos de pacientes, o homem egresso do sistema prisional foi levado a outro lugar, para o andar de cima.

— As enfermeiras e os próprios pacientes fizeram um rebuliço para tirar ele (o alvo) dali. O cara que eles queriam estava lá em cima. Fuzilaram meu filho na cama por engano, sem saber quem era — lamenta Marcelo. 

Leia mais notícias no Diário Catarinense

 Veja também
 
 Comente essa história