Governador eleito analisa novos investimentos no setor de energia em Santa Catarina Beto Rodrigues/Divulgação

Foto: Beto Rodrigues / Divulgação

O governador eleito Carlos Moisés teve reunião nesta sexta-feira com executivos da EDP Brasil para analisar investimentos na área de energia em Santa Catarina. Detentora de cerca de 30% das ações da Celesc, a empresa apresentou possibilidades para o Estado desenvolver os setores de geração e distribuição de energia, realizando parcerias para construção de hidrelétricas e termelétricas.

Durante o encontro, o presidente da Celesc, Cleverson Siewert, também comentou sobre a ampliação de 485 quilômetros de linha na rede elétrica catarinense, com investimento de R$ 1,2 bilhão. Enquanto aguarda a liberação de licenças ambientais, a companhia está começando a montar os canteiros para iniciar as obras. A expectativa é que, com a soma de investimentos privados, o dinheiro para estrutura de transmissão no Estado chegue a R$ 10 bilhões de reais em alguns anos.

Miguel Setas, presidente da EDP, afirmou que o grupo está otimista com a possibilidade de aumento do PIB do Brasil nos próximos anos. O português também destacou que Santa Catarina tem histórico de crescimento acima da média nacional, o que é um fator ainda mais positivo para desenvolver a área de energia no Estado.

Aproveitamento do carvão mineral

O governador eleito usou a reunião para apontar a necessidade de investimentos em tecnologia e sustentabilidade para aperfeiçoar a queima do carvão mineral, que tem metade da sua produção nacional feita por municípios do Sul de Santa Catarina. Carlos Moisés argumentou que as usinas siderúrgicas utilizam apenas 30% do carvão extraído, descartando o restante na queima, e que o aproveitamento poderia ser maior com soluções ecológicas. 

Leia Mais

Cerimonial altera horário da posse de Carlos Moisés no governo do Estado

Banco Mundial propõe que Estado congele salários por três anos

Veja a previsão do tempo para o verão em Santa Catarina, conforme a Epagri/Ciram

 Veja também
 
 Comente essa história