SC tem mais de mil vagas abertas para repartições públicas Omar Freitas/Agencia RBS

Maioria das oportunidades é para professores temporários

Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Enquanto o fim de ano para muitos é a oportunidade de conseguir um emprego temporário nas vagas que se abrem no comércio e no setor de serviços, para outros é a chance de tentar garantir uma vaga em repartições públicas. Em Santa Catarina, há pelo menos 45 editais abertos para a contratação de profissionais, tanto em caráter temporário, quanto para vagas efetiva, que oferecem um total de 1.093 oportunidades para início imediato, em todas as regiões.

A maioria das vagas é para professores admitidos em caráter temporário, conhecidos popularmente pela sigla ACT. Para esses profissionais, essa é uma possibilidade de ingressar no mercado de trabalho e adquirir experiência, já que os salários, em geral, raramente ultrapassam os R$ 3 mil mensais, mesmo exigindo formação superior completa.

Para quem não tem ensino superior, há dezenas de vagas em cargos administrativos, em cargos para pessoas que têm alfabetização e também para quem completou o ensino fundamental ou o médio.

Os melhores salários são oferecidos para médicos. Em São Domingos, no Oeste catarinense, a prefeitura oferece R$ 15.696,06 para quem quiser atuar na cidade, em um contrato temporário. O salário é maior que o da prefeita, Eliéze Comachio (PT), que recebe R$ 14.350 mensais.

Conheça o Mapa dos Concursos e busque uma vaga

Caso o médico queira morar próximo à praia, um edital da prefeitura de Garopaba oferece salário de R$ 13.745,82 para atuar em emergências na cidade. Neste edital, porém, a vaga ainda não está disponível, mas pode abrir durante o ano de 2019.

Para quem deseja um cargo em um órgão da União, o Instituto Federal Catarinense (IFC) oferece vagas para professores temporários, com salários de até R$5.786,68, conforme a titulação acadêmica de quem for selecionado.

Número de vagas é considerado alto

O professor do Energia Concursos, Marco Ferrari, explica que o número de vagas abertas em Santa Catarina é considerado alto. Segundo ele, em 2017, muitas prefeituras restringiram a contratação de profissionais devido à crise financeira. Por isso, capitalizaram recursos e voltaram a contratar novamente neste ano.

Para ele, essa é uma boa oportunidade para as pessoas que buscam essas vagas, principalmente porque muitos editais são parecidos. Com isso, o conteúdo programático das provas tende a ser semelhante.

— Estudando o rol de um edital, o candidato acaba disputando quatro, cinco vagas. O concurseiro acaba aproveitando o conteúdo que estudou — diz Ferrari.

O professor de gestão pública da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) Eduardo Guerini diz que os altos salários para médicos se devem, muitas vezes, aos pisos salariais definidos pela categoria. Ele explica que, em geral, esses contratos temporários servem para que os profissionais possam cobrir férias de servidores efetivos. 

— Tem um piso, de acordo com a especialidade. Dado o déficit na área da saúde, principalmente no interior, não existe interesse desses profissionais — afirma Guerini.

O professor Marco Ferrari acredita que os concursos que oferecem vagas efetivas podem ser uma boa porta de entrada para profissionais no mercado de trabalho. Em geral, os salários tendem a ser altos, principalmente quando os cargos são em órgãos ligados ao Judiciário ou à administração estadual ou federal. 

— Um técnico de tribunal ganha R$ 4 mil, só com o ensino médio — afirma.

Estela Benetti:  Festas e eleição aquecem emprego no Estado

Sobre as seleções de médicos, o professor conclui que elas também servem para ajudar na formação da carreira na área, caso haja um plano bem definido:

— É uma excelente solução para quem faz Medicina. Na residência, são oferecidos baixíssimos salários. Passa dois, três anos nessa função, depois passa por uma residência e vai concluir os estudos.

Ferrari ainda pontua que a tendência é que o número de vagas para empregos públicos siga alto, pelo menos, até 2022, apesar dos discursos constantes de que os governos precisam reduzir a máquina pública:

— No nível federal, 50% dos servidores vão se aposentar até 2022. Nos próximos quatro anos, a gente vai ter que renovar a máquina pública, sem criar novos cargos.

Uma dica que Ferrari dá aos postulantes aos concursos é para que foquem em uma área em que pretendem atuar e passem a estudar para concursos específicos, sem gastar dinheiro com vários cursos diferentes. 

Leia mais notícias no Diário Catarinense

 Veja também
 
 Comente essa história