STF manda soltar homem acusado de matar modelo gaúcha em Imbituba  Reprodução/Divulgação

Modelo foi morta durante visita ao namorado, que conheceu pela internet

Foto: Reprodução / Divulgação

O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou na terça-feira (27) a soltura de Paulo Odilon Xisto Filho, acusado de matar a modelo gaúcha Isadora Viana Costa, de 22 anos. A decisão foi encaminhada à Comarca de Imbituba, no Sul de Santa Catarina, na quarta-feira (29).

A morte da jovem aconteceu no dia 8 de maio deste ano. De acordo com as investigações, Xisto Filho agrediu Isadora, após a jovem presenciar o então namorado passar mal, após o consumo excessivo de drogas. Conforme a polícia, a jovem ficou assustada com a situação e tentou contato com parentes do acusado, que se irritou ao perceber que ela tinha chamado outros parentes e começou a bater nela.

A decisão de soltar Xisto Filho foi tomada pelo ministro Marco Aurélio Mello. De acordo com o texto, o acusado chegou a ser solto anteriormente, mas foi novamente detido após uma discussão com o delegado que investiga o caso. O policial acusou o réu de ter descumprido uma das determinações para ficar solto, que seria manter-se longe do consumo de drogas e de álcool.

O ministro afirmou que a discussão entre os dois não comprovava o descumprimento dessa medida. Além disso, Marco Aurélio Mello também afirmou que essa possível falha não era suficiente para legitimar a nova prisão.

A reportagem tentou contato com os advogados de Xisto Filho e da família de Isadora, mas ninguém foi encontrado para comentar a decisão, até a última atualização deste texto.

Relembre o caso

De acordo com as investigações, Isadora estava em Imbituba pela primeira vez, quando foi morta na casa de Xisto Filho. Os dois são naturais de Santa Maria, no interior do Rio Grande do Sul, mas ele morava no litoral sul catarinense. 

O casal se conheceu pela internet, cerca de dois meses antes de a modelo ser morta. Ela tinha ido até a cidade para conhecer Xisto Filho pessoalmente. Apesar de não terem contato anterior, as famílias já se conheciam.

De acordo com a polícia, a jovem foi morta após ver o namorado passar mal, supostamente pelo consumo excessivo de drogas. Com a situação, ela se assustou e entrou em contato com parentes de Xisto Filho. Quando ele soube disso, se irritou e desferiu vários golpes na jovem, que não resistiu aos ferimentos e morreu. A defesa, no entanto, nega essa versão e diz que Isadora morreu após uma queda. 

Durante as investigações, Xisto Filho chegou a ser preso, mas foi solto antes de a denúncia ter sido enviada à Justiça. 

O caso está sendo julgado na 2ª Vara de Imbituba. Conforme o site do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, o juiz responsável pelo caso já abriu prazo para que a defesa apresente as alegações finais nesta primeira fase da ação penal.

Depois da manifestação da defesa e também do Ministério Público, o magistrado deverá decidir se leva ou não o caso a júri popular.

Leia mais:

"Isadora tinha sonhos, mas tudo foi ceifado", diz pai de modelo morta em SC

Namorado de modelo gaúcha vira réu por feminicídio

Polícia pede prisão de jovem suspeito de matar namorada gaúcha em praia de SC

Justiça nega pedido de prisão preventiva de suspeito de matar namorada gaúcha


 

 Veja também
 
 Comente essa história