Bolsonaro vai a São Paulo para avaliação médica  Tânia Rêgo / Agência Brasil/Agência Brasil

Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil / Agência Brasil

O presidente eleito Jair Bolsonaro viaja nesta quinta-feira (13) de Brasília para São Paulo para nova avaliação médica. A cirurgia para a retirada da bolsa de colostomia está marcada para 19 de janeiro. Contudo, o futuro presidente disse que pretende adiar a operação para poder participar do Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça, de 22 a 25 de janeiro de 2019. 

Bolsonaro diz que deve remarcar cirurgia para ir a Davos

— Eu vou quinta-feira (13) a São Paulo e devo remarcar a cirurgia (para retirada da bolsa de colostomia), que seria 19 de janeiro. Tenho Davos (Fórum Econômico Mundial) dia 21 e pretendo ir para lá. Quero estudar com o hospital uma nova data, porque a minha vida é complicada e eles também têm uma agenda lá bastante extensa. Não pode chegar lá e ser atendido só porque sou presidente. Temos que ter um calendário — disse, há dois dias.

Bolsonaro passa a manhã desta quinta-feira em São Paulo. Depois, por volta das 14h30min, embarca para o Rio de Janeiro, onde deve permanecer o restante da semana.

Os exames pré-operatórios precedem a realização da terceira cirurgia a que Bolsonaro será submetido desde que foi esfaqueado no abdômen por Adélio Bispo, durante ato político em Juiz de Fora (MG), em 6 de setembro.

O presidente eleito fez uma cirurgia inicial, de grande porte, na Santa Casa de Juiz de Fora, depois uma segunda, já no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, para corrigir uma aderência. A estimativa é que o período de recuperação dessa terceira cirurgia seja de 10 a 15 dias.

Bolsonaro comentou que “não gostaria de ficar parado em janeiro”, quando está marcada a terceira cirurgia. Inicialmente, teria sido realizada na quarta-feira (12), mas foi adiada após uma série de exames feita no dia 23 de novembro por médicos do Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Leia também:

Carlos Moisés se encontra com Bolsonaro em Brasília

Militares apresentam a Bolsonaro situação da segurança nos estados

Bolsonaro terá tantos militares no ministério quanto Costa e Silva em 1967


 Veja também
 
 Comente essa história