Anunciado pelo governador eleito João Doria como futuro secretário de Desenvolvimento Regional de São Paulo, o deputado estadual Marco Vinholi vai assumir a presidência do PSDB-SP em 2019.

A escolha pavimenta o controle de Doria sobre a máquina partidária paulista e sacramenta o fim da "era" Geraldo Alckmin, que predominou nos últimos oito anos.

Com o controle do PSDB paulista, o grupo de Doria ganha musculatura na disputa pelo comando do diretório nacional, que será renovado em maio. A convenção do diretório estadual será em março.

Em entrevista à reportagem, Vinholi lançou o deputado federal Bruno Araújo, que foi derrotado na disputa pelo Senado em Pernambuco, como candidato a presidente nacional do PSDB.

Araújo é o nome preferido de Doria, mas sofre resistência dos tucanos históricos que tentam frear o avanço do governador eleito sobre o partido.

Aliados de Alckmin, que não tentará à reeleição para a presidência do PSDB, tentam convencer o senador Antonio Anastasia (MG) a entrar na disputa.

"Doria passou a ser a principal liderança nacional do PSDB. É natural que haja mais membros ligados a ele na executiva do partido. Bruno Araújo é nosso candidato a presidente nacional do PSDB", disse Vinholi. Com 34 anos, o deputado será o mais jovem presidente do PSDB.

Ele começou a carreira política no movimento estudantil da PUC-SP, onde cursou administração, e foi dirigente da juventude tucana ao lado do atual prefeito Bruno Covas. O pai de Marco Vinholi, Geraldo Vinholi, foi prefeito de Catanduva, no interior paulista.

 Veja também
 
 Comente essa história