Justiça decreta a prisão do médium João de Deus  Marcelo Camargo/Agência Brasil

João de Deus é suspeito de abusos sexuais durante tratamentos espirituais

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

O médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, suspeito de abusos sexuais durante tratamentos espirituais, teve a prisão preventiva decretada pela Justiça de Goiás nesta sexta-feira (14). O pedido foi confirmado pela Secretaria de Segurança Pública de Goiás.

Segundo o portal G1, um dos advogados que compõem a defesa de João de Deus, Thales Jayme, disse que foi informado sobre o mandado de prisão, mas não tinha recebido o documento até as 12h30min. Ele declarou também que ainda não havia conversado com João de Deus. 

Até esta quinta-feira, a força-tarefa criada pelo Ministério Público estadual para apurar as acusações de abusos sexuais contra João de Deus havia recebido 330 mensagens e contatos por telefone de mulheres que afirmam ser vítimas de crimes sexuais praticados pelo médium.

Promotorias de Justiça Criminais do Ministério Público de outros Estados também estão recebendo denúncias e auxiliando o Ministério Público de Goiás na apuração, colhendo os depoimentos das denunciantes que não moram em Goiás.

O médium de 76 anos fundou, em 1976, a Casa Dom Inácio de Loyola no município goiano de 12 mil habitantes, a cerca de 110 quilômetros de Brasília e à mesma distância de Goiânia.

Memória

As denúncias começaram a vir a público na última sexta-feira (7) quando o programa Conversa com Bial, da TV Globo, divulgou as primeiras denúncias de abuso sexual. A partir daí, outras mulheres que afirmam ser vítimas do médium começaram a procurar as autoridades e a imprensa. Nesta quarta-feira, em sua primeira aparição pública, o médium disse que é inocente e está à disposição da Justiça brasileira.

— Irmãos e minhas queridas irmãs, agradeço a Deus por estar aqui. Quero cumprir a lei brasileira. Estou nas mãos da Justiça. O João de Deus ainda está vivo — declarou o médium ao passar pela Casa Dom Inácio, onde permaneceu por menos de dez minutos antes de sair alegando estar passando mal.

Leia mais

Pela 1ª vez após denúncias de abuso, João de Deus visita casa onde atende em Goiás

Defesa de João de Deus propõe que médium retome atendimentos sob supervisão policial

Delegada afirma que João de Deus é investigado desde 2008

 Veja também
 
 Comente essa história