Os últimos quatro anos foram os mais quentes já registrados, informou nesta quarta-feira (6) a ONU, que vê nestes dados a confirmação do aquecimento global provocado por concentrações recorde de efeito estufa na atmosfera.

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou que a temperatura média global da superfície da Terra em 2018 superou em cerca de 1,0°C os níveis da época pré-industrial (1850-1900).

"Este ano (2018) se classifica no quarto lugar entre os mais quentes que foram constatados", informou a agência da ONU.

"Com 1,2°C acima da era pré-industrial, o ano 2016, marcado pela influência de um El Niño poderoso, continua sendo o ano mais quente", acrescentou a agência ao fazer referência à corrente equatorial quente do Pacífico.

"Em 2015 e 2017, a diferença na temperatura média em relação aos valores pré-industriais foi de 1,1°C".

A ONU usa como referência o ano de 1850, data em que começaram a ser realizados os registros sistemáticos da temperatura.

No entanto, "é muito mais importante observar a evolução a longo prazo da temperatura (...) que classificar entre diferentes anos", disse o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas. Ele lembrou que nos últimos 22 anos, foram registrados os 20 anos mais quentes.

"Os fenômenos meteorológicos extremos ou de alto impacto afetaram incontáveis países e milhões de pessoas no ano passado", disse. "A comunidade internacional deve dar máxima prioridade à redução das emissões de gases de efeito estufa e as medidas de adaptação ao clima", destacou.

A OMM advertiu que o ano de 2019 não parece que será melhor.

A Austrália registrou o janeiro mais quente de todos os tempos, enquanto uma estremecedora onda de frio afetou várias regiões da América do Noite na semana passada.

* AFP

 Veja também
 
 Comente essa história