O senador americano Marco Rubio previu nesta segunda-feira (11) o pior para o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e antecipou prisão para o número dois do chavismo, Diosdado Cabello, mas reiterou a oferta de Washington de eximir de sanções altos comandos que desconhecerem sua autoridade ilegítima.

Rubio assegurou que "o futuro da democracia na Venezuela está em grande medida nas mãos de seus homens" e prometeu que não haverá um "expurgo militar" para os que aderirem a Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino por Estados Unidos e meia centena de países.

Guaidó, chefe do Parlamento eleito em 2015, se autoproclamou em 23 de janeiro comprometendo-se a organizar novas eleições, após considerar que Maduro foi reeleito em eleições fraudulentas.

Rubio, ponta de lança da ofensiva do presidente Donald Trump contra a Venezuela de Maduro, disse que o processo inciado há três semanas "é irreversível" e que Maduro "não tem escapatória".

"A partir daqui só piora para Maduro", destacou em um fórum organizado pela conservadora Heritage Foundation e o Instituto Republicano Internacional.

Acrescentou que, para Cabello, presidente da Assembleia Constituinte que rege com poderes absolutos, "não existe futuro, simplesmente uma prisão".

Embora tenha dito que outros como ele não poderão "receber nenhum tipo de anistia de parte dos Estados Unidos por acusações federais", será possível fazer concessões a fim de evitar um banho de sangue.

* AFP

 Veja também
 
 Comente essa história