A ENGIE é uma empresa líder em produção de energia e desenvolve suas atividades (eletricidade, gás natural e serviços) em torno de um modelo baseado em crescimento responsável a fim de enfrentar os grandes desafios da transição energética para uma economia de baixo carbono: acesso à energia renovável, adaptação às mudanças climáticas, segurança de abastecimento e uso racional dos recursos naturais.

Presente em mais de 70 países, a ENGIE tem como um dos seus principais objetivos ser uma parceira estratégica para cidades em todo o mundo, construindo e fornecendo soluções digitais para a transição energética, mobilidade e segurança, e contribuindo para uma gestão urbana global. O Grupo é líder em fornecimento de serviços de eficiência energética e responsável pelo gerenciamento de mais de 800.000 pontos de iluminação pública em todo mundo, pelos sistemas de segurança de mais de 60 cidades e pela redução de 30% do consumo de energia de cidades. Além disso, possui 55 redes de transporte equipadas com seus sistemas e opera mais de mil estações de recarga para carros elétricos e 228 redes de aquecimento e refrigeração em 13 países. A ENGIE conta com 154.950 funcionários em todo o mundo e obteve receitas de 69,9 bilhões de euros em 2015.

A ENGIE no Brasil

No Brasil, a ENGIE é a maior produtora privada de energia elétrica no país, operando uma capacidade instalada de 10.158 MW (considerando a participação da Empresa na Usina Hidrelétrica Jirau), em 29 usinas em todo o Brasil, o que representa cerca de 5% da capacidade do país. O Grupo possui 85% de sua capacidade instalada no país proveniente de fontes limpas, renováveis e com baixas emissões de gases de efeito estufa, posição que tem sido reforçada pela construção de novas eólicas no nordeste do país. Atualmente, a ENGIE está construindo, em Consórcio, uma das maiores hidrelétricas do Brasil, a hidrelétrica Jirau (3.750 MW), no rio Madeira, em Rondônia, da qual detém uma participação de 40%. A Usina Hidrelétrica Jirau deve ser transferida para a ENGIE Brasil Energia (Linha de Negócios Geração e Comercialização de Energia) a partir de uma negociação entre a ENGIE e o comitê de partes relacionadas.

- Acredito que as negociações devam se iniciar no segundo semestre, devido ao estágio avançado do projeto que deve terminar a construção no final deste ano. A conclusão da negociação e o fechamento financeiro, entretanto, só devem estar concluídos em 2017, em função da necessidade de discussão de premissas e condições pelo comitê - informa o presidente da ENGIE Brasil Energia, Eduardo Sattamini.

Vale ressaltar que o comitê de partes relacionadas é composto, em sua maioria, por conselheiros independentes, o que garante isenção na hora da decisão por parte da ENGIE Brasil Energia.

No País, o Grupo também oferece serviços relacionados à energia, engenharia e integração de sistemas, atuando no desenvolvimento de soluções de telecomunicações, segurança e sistemas de gerenciamento de risco, mobilidade urbana, iluminação pública, aeroportos, soluções digitais (plataforma customizada de software), segurança pública e infraestruturas críticas. Contando com 3.000 colaboradores, a ENGIE teve no Brasil, em 2015, um faturamento de R$ 7 bilhões.