Com alto valor nutricional e muito bem estabelecido na cultura gastronômica do mundo ocidental, o leite é um alimento completo, capaz de fornecer quantidades significativas de alguns dos nutrientes mais importantes para o desenvolvimento humano. Fonte de cálcio, proteínas, vitaminas e nutrientes, ele ajuda a complementar as necessidades nutricionais de diferentes biotipos e em diferentes fases da vida de pessoas que optam por consumir esse alimento no seu dia a dia.

Contudo, nem todos os organismos se adaptam ao consumo do leite na sua forma mais pura. Hoje, são comuns os casos de pessoas que se descobrem intolerantes à lactose, o que acaba gerando muitas dúvidas a respeito dos limites de consumo do leite e de seus derivados.

O que é intolerância à lactose?

Algumas pessoas podem gostar de consumir leite, mas seu organismo não. Isso acontece quando há uma deficiência na produção da lactase, enzima que tem a função de quebrar a lactose, ou seja, de digerir o açúcar presente no leite e em alguns de seus derivados.

O nível de intolerância de cada pessoa pode variar bastante: alguns podem demonstrar sintomas imediatamente após consumir em pouca quantidade ou então apenas depois de ingerir grandes doses de lactose. No entanto, ter deficiência na produção de lactase não significa que o consumo de leite deve ser interrompido ou proibido, já que existe leite e derivados de todos os tipos com opção de zero lactose, adequados para quem apresenta qualquer nível de intolerância.

O que o leite zero lactose tem de especial?

A grande diferença dos produtos zero lactose é, ao contrário do que se possa pensar, a adição da lactase. De acordo com a nutricionista Jaqueline Cichoski, a enzima adicionada faz a "quebra" da lactose, principal carboidrato do leite, em dois açúcares: a galactose e a glicose.

- A lactase adicionada ao leite aos produtos derivados dele ajuda no processo de digestão e permite que mesmo quem é intolerante consuma esses alimentos sem desconforto - afirma.

Todo esse processo é feito sem abrir mão de qualquer propriedade nutricional dos produtos. O cálcio, as vitaminas A, B1, B2, B6, B12, proteínas e minerais essenciais como fósforo, potássio, zinco e magnésio presentes no leite e que fazem dele um alimento tão rico e nutritivo são mantidos por inteiro.

Já que os produtos zero lactose são feitos apenas com a adição da enzima digestiva, é possível encontrar todos os tipos de leite nessa versão: integral, semidesnatado e desnatado. Assim, fica muito fácil encaixar o alimento na dieta, de acordo com a necessidade nutricional de cada um.

Quem pode consumir?

Produtos com adição da enzima lactase são recomendados especialmente para quem já recebeu algum diagnóstico clínico de intolerância, mas o consumo não é restrito a eles. Há quem se sinta melhor depois de ingerir alimentos que oferecem esse apoio digestivo. Além disso, em momentos em que apenas uma pessoa em toda a família é intolerante, por exemplo, usar leite zero lactose em uma receita permite que ela seja consumida por todos.

Popularmente, há quem acredite que excluir leite e laticínios da dieta ajuda no emagrecimento. No entanto, essa medida é condenada por nutricionistas e profissionais de saúde que são unânimes em afirmar que uma dieta saudável equilibra todos os grupos alimentares:

- A manutenção do peso corporal e da boa saúde está totalmente ligada à dieta personalizada em que cada pessoa possa consumir alimentos de acordo com suas necessidades fisiológicas, respeitando gostos, estilo de vida, cultura, credos e situação financeira - ressalta Jaqueline.

O importante é consumir um pouco de tudo, de forma balanceada. No caso do leite e de laticínios, o consumo indicado depende da idade e condição de saúde de cada pessoa. Mas, por padrão, usa-se a recomendação de três porções de leite ou produto lácteo ao dia, ou seja, 150ml de leite, 30g de queijo e 50g de iogurte.