A escola é um dos primeiros lugares onde se aprende a estabelecer conexões com pessoas que pensam de forma diferente. Com a adolescência, essa vivência é expandida para o ambiente em que se passa a maior parte do tempo. Os alunos da unidade de Florianópolis do COCvivenciam todos os dias uma experiência única nesta expansão de conhecimento: a possibilidade de estudar em um dos prédios mais referenciados da cidade.

Restaurado pela empresa SZ Arquitetura, a obra que deu forma à unidade de Ensino Médio do colégio aconteceu logo após um empresário do ramo imobiliário adquirir o prédio, em 2015. De lá para cá, muito restauro foi feito para que as características originais da construção se mantivessem, conforme indica o Decreto Municipal 270 de 1986, que considera o casarão Patrimônio Histórico e Artístico da cidade tombado pelo nível P2. Inaugurado em julho deste ano, a restauração chama a atenção de quem passa na rua e se lembra dos tempos áureos do antigo Cine Ritz.

- Eu era frequentadora da Sessão das Moças, lá em 1952. Mas é bom ver que hoje o prédio está cuidado e ganha uma vida. E é uma vida que vai cuidar do futuro da cidade - diz dona Ilda Ferreira, de 83 anos, auxiliar de serviços gerais aposentada e frequentadora assídua do antigo Cine Ritz.

O sentimento que permeia a nova unidade do Ensino Médio do COC é de respeito com a história que o prédio guarda. Além de recuperar cobertura, manter esquadrias e dar destaque aos tijolos de 1935, a escola também prevê projetos que irão promover o encontro da comunidade com o imóvel.

- Nossa ideia é fazer com que os moradores de Florianópolis revivam o que esse edifício representou e, ao mesmo tempo, que as novas gerações reconheçam o significado histórico dele. Queremos abrir a escola para exibir filmes antigos e reviver uma parte do que foi o Cine Ritz - comenta Erivaldo Carvalho, diretor e professor da unidade.

A estrutura virou ponto de encontro entre as gerações fazendo sucesso entre pais e avós de alunos - que podem reviver a história em um cenário que é palco de uma nova juventude. Segundo Carvalho, foi o prédio quem escolheu o sistema de ensino já que o convite de ocupar o imóvel veio através do proprietário, que viu na educação uma forma de dar uso qualificado ao espaço. Para o professor e diretor do COC, a intenção é que os alunos absorvam conceitos e respeito pelo histórico de forma mais natural e diária.

- Queremos mostrar que é possível vivenciar o histórico sem abrir mão da tecnologia - comenta o professor e diretor.

Arquitetura desafiadora

Restaurar um ambiente com peso histórico e unir o DNA de uma escola reconhecida pela busca em educação com excelência e inovação não foi tarefa fácil. Entre as diversas exigências - todas atendidas e verificadas de perto pelas instituições estaduais e municipais, a proposta focou em resgatar ao máximo as características originais e, em contrapartida, fazer novas intervenções usando uma linguagem contemporânea, jovem e vibrante.

- Queríamos criar espaços leves e ao mesmo tempo estimulantes. Uma das estratégias do projeto de interiores foi valorizar as características de cada momento da história do prédio: as esquadrias em madeira e vitrais, paredes internas com tijolos aparentes, a nova estrutura em concreto, proporcionando assim um ar industrial e urbano - conta Ivana Szczuk, arquiteta responsável.

O ambiente encanta quem entra. Nas salas de estudo, cantina e biblioteca os ambientes integrados, com linguagem descontraída e jovem, promovem a interação e troca. O conforto acústico e visual foi um dos pontos fortes do projeto, que conta com piso vinílico e forro acústicos. A iluminação artificial em led garante economia e performance para as salas de aula. Os corredores também levam a mesma ideia de ambientes leves e ao mesmo tempo estimulantes, com pórticos de acesso às salas com pintura diferenciada, piso colorido e vidros para ampliar a iluminação natural.

Quer conhecer mais o COC? Conheça aqui um pouco mais do colégio e como visitar a nova unidade.