Há uma discussão apaixonada sobre a eficácia ou não daquelas cápsulas distribuídas como a cura do câncer, com considerações de médicos recomendando cautela e testemunhos respeitáveis de curas. A Justiça tem liberado o fornecimento na maioria das vezes em que foi acionada sem, porém, ser definitiva. Para quem está em situação de risco ou tem alguém da família lutando contra um câncer, tudo o que representar esperança de cura é bem-vindo, e assim é ou seria com qualquer um de nós. Para um cientista toda droga tem que conter a certeza de sua eficácia conseguida através de experimentos.

É necessário respeitar todas as opiniões e compreender todas as convicções. A discussão é pela vida. Pelo amor à vida. Até o momento não houve manifestação de que a substância tenha feito mal, o que leva a uma terceira corrente de opinião sobre o caso: se mal não faz e bem pode fazer, que seja então plenamente liberado até que a ciência dê a palavra final, sem necessidade de apelar para a Justiça.

::: Confira outras colunas do Valther Ostermann


Leia abaixo mais comentários de Valther Ostermann

Curto e grosso



Foto: Patrick Rodrigues, BD, 25/9/2015

Se você não estiver muito bem de vida financeira nem pense em receber de herança um imóvel tombado pelo Patrimônio Histórico. Já falei disto, aqui. É fria! Se você não restaurar será olhado meio de lado, com ar de reprovação. Se partir para o restauro prepare um saco de paciência e dois de dinheiro. Pergunte a quem já fez. Coisa bem ao jeito de nossos legisladores: te enchem de deveres, esquecem da contrapartida em direitos.

Discussão

Emil Chartouni, o presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Blumenau e região (Sihorbs), no exercício de suas funções, está contestando as hospedagens informais – não tributáveis – que fazem concorrência notadamente durante o período da Oktoberfest. “É concorrência desleal”, diz o presidente. Não deixa de ser uma espécie de Uber da hospedagem. Fica mais fácil para entender, embora a modalidade, existente em vários países, tenha outro nome quando dentro da formalidade.

Que chato!

Do blog da colega Estela Benetti colho a informação de que as autoridades da área discutem investimentos para melhorar a qualidade do leite no Estado. Até aí fiquei feliz, estão pensando em nossa saúde, pensei com meus zíperes. A linha seguinte, porém, foi um balde de água fria: “objetivo é avançar nas exportações”. Quer dizer, se não fosse o interesse em vender para estrangeiros os nativos continuariam consumindo o leite “não melhorado”.

Uma graça

Foto: Jefferson Douglas

É tão bonitinho que as meninas de Blumenau deveriam usar o traje típico para além dos 19 dias da Oktoberfest, concordam?

Já era hora

Sobre o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), notório presidente da Câmara que está para ser abatido por denúncias de corrupção, uma abordagem diferente só para variar um pouco: é de sua autoria a PL 7382/2010, que penaliza discriminação contra heterossexuais e determina que medidas e políticas públicas antidiscriminatórias para essas possibilidades. Em outras palavras, é proibido discriminar homens que gostem de mulheres e vice-versa. Quer dizer, se a proposta for aprovada...

Mão fechada

Fala sério, banqueiro é osso duro de roer. Quando se trata de botar a mão no próprio bolso tudo fica difícil, ao contrário de quando o bolso é nosso, clientes. Os bancários em greve alegam que a proposta de aumento sequer cobre a inflação do período, e aí não, violão! Afinal de contas, trabalham para patrões que crescem na bonança e crescem na crise. Não há tempo ruim para banqueiro. Então dá uma repartidinha aí, ô!

JORNAL DE SANTA CATARINA
 DC Recomenda
 
 Comente essa história