Nascidas na década de 70 nos Estados Unidos, as universidades corporativas vieram para o Brasil só no fim dos anos 90, em um movimento que refletia o novo momento das organizações. Elas estavam percebendo que para conseguir acompanhar as mudanças do mercado era preciso investir constantemente na atualização do capital humano. E, além disso, identificaram aí uma oportunidade para disseminar de forma mais efetiva a cultura organizacional.

Por isso, as empresas tomaram para si as rédeas do ensino, e investir em treinamentos para os colaboradores se tornou um diferencial em termos de engajamento de equipes, produtividade e eficiência. As universidades corporativas surgiram como forma de contribuir para a formação e retenção de profissionais, onde o mesmo se desenvolve, é educado e valorizado por isso.

Além de adquirir conhecimento técnico, os colaboradores têm a prática voltada para o desempenho de suas funções e o conhecimento alinhado com a missão da organização, seus objetivos e estratégias de seus negócios. Tudo isso como resultado de uma iniciativa que tem como princípio básico o compartilhamento de conhecimento entre pessoas de diferentes setores, com diferentes especializações, e que por terem uma visão mais ampla da empresa, conseguirão assimilar mais facilmente a implantação de inovações.

Em Florianópolis temos um case pioneiro de sucesso. Como gestora de pessoas e qualidade de uma rede de supermercados local, há quase dois anos trabalho em um amplo programa de qualificação, construído junto às lideranças da empresa e que teve como inspiração a Disney.

A universidade corporativa aqui tem como foco o padrão de excelência de serviços, em especial na segurança alimentar, qualidade e praticidade de produtos, e na gentileza no atendimento, a partir do conceito ¿Nós criamos bem-estar¿. E para alcançar seus objetivos, utiliza as técnicas de encantamento aos clientes que tornaram os parques temáticos uma referência mundial em qualidade e satisfação, aprendidos em visitação técnica em Orlando.

*Rosangela Saquete é gestora de pessoas e mora em Florianópolis

Concorda com a autora? Quer publicar um artigo sobre o tema ou assunto correlato? Participe do Vozes!

 Veja também
 
 Comente essa história