Neste mês, é realizada a campanha de prevenção do suicídio, o Setembro Amarelo. Apesar de ser um assunto que preocupa há mais tempo, em 2017 ganhou uma visibilidade maior por conta da série 13 Reasons Why e do jogo Baleia Azul. Ambos alertaram sobre a importância de falar sobre os transtornos mentais e agir para proteger as pessoas da nossa comunidade, principalmente os jovens.

Segundo a OMS, quase 100% dos suicídios estão relacionados a transtornos mentais. Por isso, são potencialmente evitáveis. Entretanto, ainda não sabemos lidar bem com as questões de saúde mental. Ainda há muito preconceito envolvido e as pessoas têm vergonha de falar quando não estão bem e de pedir ajuda. Ou mesmo, quando alguém parece não estar bem, muitas vezes não se sabe como ajudar.

O Setembro Amarelo é uma campanha que vem para mudar isso. Propõe a nossa comunidade que mude a forma de se comunicar sobre os transtornos mentais, e sobre buscar ajuda quando não se está bem. Alerta que não há espaço para o preconceito contra os transtornos mentais. Ninguém está livre de ter um transtorno mental em algum momento da vida. Precisamos lidar com esta questão com o respeito que merece.

A campanha está crescendo a cada ano no Brasil, e, em 2016, Santa Catarina teve uma das maiores participações. Médicos da Associação Catarinense de Psiquiatria participaram de eventos da campanha em 28 cidades de SC. Para este ano, vários tipos de atividades estão sendo organizados, como caminhadas de valorização à vida, palestras abertas à comunidade, iluminação de prédios e pontos turísticos com a cor amarela durante o mês de setembro e workshops para profissionais da área da saúde.

Neste ano, a sociedade começou a se mobilizar e buscar informações sobre suicídio. Isso é muito relevante, e é importante que continue assim, por isso, vista amarelo e curta as redes sociais da Associação Catarinense de Psiquiatria e da Associação Brasileira de Psiquiatria. No site da ABP, é possível obter mais informações sobre a campanha.

*Joana Pargendler é psiquiatra

 Veja também
 
 Comente essa história