Na contramão do desenvolvimento econômico, Florianópolis tropeça na burocracia e restringe empreendedores que embarcam na via sacra para a abertura de uma empresa. Um levantamento da Endeavor – organização global de empreendedorismo – aponta a Capital na 24ª posição num ranking de 32 cidades. 

Segundo o Índice de Cidades Empreendedoras 2016, o tempo médio para abertura é de 142 dias, sendo a média nacional de 117 dias. Estamos muito aquém do esperado se comparados com países desenvolvidos onde, segundo o Banco Mundial, o processo não passa de cinco dias corridos. Um verdadeiro retrocesso para a Capital catarinense.

Para piorar o cenário, o comparativo com a pesquisa realizada em 2015 mostra poucos avanços, sendo que a Capital encontrava-se na 26ª posição, com uma média de 177 dias. Ou seja, Florianópolis está estagnada num indicador e imersa em uma verdadeira desordem burocrática.

A burocracia e a falta de comunicação entre os órgãos envolvidos leva o empresário a uma via sacra para a liberação de licenças e alvarás e o deixa de mãos atadas diante da inércia dos órgãos responsáveis. Na prefeitura de Florianópolis, repousam processos emperrados há três anos – um verdadeiro balde de água fria para quem quer investir.

Neste caos que emperra o crescimento e a geração de emprego e renda, a esperança surge a partir da implantação do sistema Rede Simples, uma iniciativa do Sebrae que pretende unificar processos a partir do envio para a Junta Comercial. Mas a iniciativa ainda é tímida no momento da crise em que cidades precisam de uma injeção de ânimo para reaquecer a economia.

A luz no fim do túnel está em bons exemplos, como em Três Rios, no Rio de Janeiro, que registra um crescimento acelerado com a instalação de 1.381 empresas e cerca de 9 mil novos postos de trabalho. Três Rios foi escolhida por gigantes como Nestlé, Neobus e Latapack-Ball e um dos fatores são as facilidades na abertura de empresa que, segundo dados da Jucerja (Junta Comercial do RJ), pode ocorrer em apenas 48 horas. 

Quem sabe, podemos um dia chegar lá.

*Milton Barcelos Junior é vereador

 Veja também
 
 Comente essa história