ITAJAÍ, SC, BRASIL, 10/10/2017: Operação contra o tráfico de drogas.(Foto: LUCAS CORREIA / JORNAL DE SANTA CATARINA)
Foto: Lucas Correia / Diário Catarinense

Redes de traficantes catarinenses e estrangeiros, entre eles um mexicano que camuflava cocaína em blocos de granito, constituíam as quadrilhas de tráfico internacional de drogas desmanteladas pela Polícia Federal de Santa Catarina.

Desde março de 2016, as seguidas apreensões de cargas milionárias da droga dentro de contêineres em portos catarinenses chamavam a atenção no meio policial do Estado. Desde então, policiais federais e a Receita Federal adotavam estratégia de ação conjunta nos trabalhos.

Os criminosos continuaram as tentativas de enviar cocaína na conexão à Europa. A complexa apuração das duas instituições com monitoramento policial terminou com mais de 10 toneladas de cocaína recolhidas. Assim, a operação está nas estatísticas como entre as três de maiores apreensões da droga na história do País.

O rastro dos agentes contou até com uma campana de um avião de pequeno porte trazendo a droga ao pousar no aeroclube de São Francisco do Sul, Litoral Norte. Os policiais acompanharam e fizeram um flagrante na rodovia sem levantar mais suspeitas.

A PF garante ter tudo filmado, cuja divulgação ainda é prejudicada em razão do sigilo do inquérito determinado pela Justiça Federal em Joinville. Por enquanto, apenas advogados das partes estão tendo acesso ao conteúdo que incriminaria dezenas de patrões do tráfico em Santa Catarina, principalmente do norte do Estado.

O que se sabe é que se trata de um grande esquema criminoso envolvendo falsos empresários de fachada que ostentavam vida de luxo a partir da compra e venda de cocaína.

Pelo ar, terra e mar funcionava a engrenagem do tráfico internacional que abastecia de cocaína os países europeus. O mexicano que escondia a coca nos granitos agia a partir de Imbé, cidade litorânea do Rio Grande do Sul e está foragido.

Um dos supostos líderes que vivia em Santa Catarina já havia sido flagrado com cocaína em Barra Velha há mais de dez anos. Na época, era considerado peixe pequeno. Pois ele saiu da cadeia e surpreendentemente reapareceu atualmente como sendo um dos que desfrutavam da vida milionária a partir dos negócios ilícitos.

Os tentáculos catarinenses com o tráfico internacional de drogas não são de hoje. Há mais de uma década jovens do Estado se aventuram levando cargas de cocaína ao exterior e retornam com malas recheadas de drogas sintéticas. A maioria acaba presa na viagem que se transforma em pesadelo a familiares diante do drama atrás das grades e uma vida desperdiçada com a falsa ilusão de dinheiro fácil.

 Leia mais:
Empresários e funcionários de portos estão entre os presos de operação da PF
PF cumpre mandados contra tráfico nos portos de SC
Polícia encontra lacres de contêineres com funcionários de porto
Equipe da Receita faz parte da operação contra o tráfico em SC

 Veja também
 
 Comente essa história