Zé Dassilva: Eu vi o Canarinho Pistola nascer e sei o que fez o mascote dar certo Lucas Figueiredo/CBF

Foto: Lucas Figueiredo / CBF

Eu vi o Canarinho Pistola nascer. Estive no Mineirão naquele fatídico 7 a 1 e testemunhei: a cada comemoração da Alemanha, o ovo dava uma trincada e o bichinho tirava mais um pedaço da casca. Uma vida que brotou junto dos primeiros palavrões, quando os alemães fizeram 1 a 0. No segundo gol, torcedores brasileiros do meu lado expulsaram o alemão que bebia com eles. No terceiro, um dos stewards (aqueles assistentes de torcida, que usam colete fosforescente), treinado para acalmar o pessoal, ficou descontrolado e, de dedo em riste, começou a xingar os jogadores. No quarto, virei pro meu amigo em busca de respostas e ele fechou a cara, agressivo: "Tá olhando o quê?". No quinto, minha filha ligou chorando e eu não fui gentil como costumo ser. Foi indo assim até que, aos 90 minutos, a casca enfim havia cedido por completo e o mascote estava livre para abrir o bico pela primeira vez. Em vez de gorjear, olhou praquele cenário de devastação e resmungou: "Que lixo, hein?".

canarinho pistola album figurinha
Foto: Divulgação / Panini

Mas, sem identificação junto ao público, nenhum personagem sobrevive. Ainda mais um criado por uma entidade: tem sempre jeito de ser algo "chapa-branca". Principalmente se for uma entidade tão criticada como a CBF: quem quer se associar às denúncias de corrupção? Mas foi exatamente deste ninho que o Canarinho Pistola se atirou para voar rumo ao abraço do povo, gritando: "Me segura aí, cambada de infeliz!". E não é que a torcida, sem preconceito, acabou por adotá-lo? Um parente distante havia virado música em 1982, com Voa, Canarinho, Voa, um samba cantado pelo camisa 6 Júnior – mas não havia nenhuma "imagem oficial". 

Leia também:
Garota de Joinville tatua meme do "psicopata do Hexa" no braço
OTO: Canarinho Pistola encontra torcedor russo que virou meme

Mas por que o Canarinho Pistola deu certo? A resposta está dentro de você! Vai dizer que não anda de saco cheio com um monte de coisas que lê por aí? O clima nacional é de indignação e o personagem resume isso. A identidade do brasileiro como "homem cordial", só para citar Sérgio Buarque de Hollanda, parece entrar em um novo momento. Este rosto bravo a gente já fez por vários motivos que têm a ver com o fato de torcer pelo Brasil, dentro e fora de campo. "Não sou um mascote, idiota: sou uma ideia!", poderia se definir o Pistola.

O mais irônico é que, de todos os motivos que temos para estarmos "pistola", a campanha da Seleção é o menor deles. Afinal, nestes quatro jogos marcamos sete gols e tomamos apenas um. Ops, deu 7 a 1! "Não faz essas contas com coincidência que dá azar, animal!", diria o Canarinho Pistola ao ler isso.

Mas será que não estamos sendo manipulados? O Canarinho Pistola é de direita ou de esquerda? Capaz de ele responder: "Sou do ataque, imbecil!" E nesse confronto contra a Bélgica, pelas quartas de final? Será que vai ter pena do seu primo, o canário belga? "Quero mais que ele se exploda", diria a ave que reunificou o Brasil.

Foto: Arte DC


 Veja também
 
 Comente essa história